FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

Um mundo às avessas!

Print Friendly and PDF


Por Alessandro Lyra Braga

Imaginei um
mundo às avessas. Neste mundo, tudo seria diferente do usual. Já pensaram como seria um filho chamar seus pais para uma conversa e dizer-lhes que tem uma revelação a fazer: “Pai, mãe, eu sou hétero!”? Diante de tal revelação, seus pais ficariam em silêncio e logo sua mãe, estarrecida, se levantaria, coçaria o púbis como se tivesse um “saco escrotal” e diria com voz grossa: “Fora de casa!”. Aí seu pai se levantaria e diria, todo afeminado: “Eu te amo mesmo assim!”.

Num mundo às avessas os pais recomendariam quando seus filhos saíssem de casa para voltar bem tarde, beber muito e dirigir feito loucos, sem nenhum cuidado.

Num mundo às avessas, os pais adorariam saber que suas filhas, menores de idade, estariam grávidas sem saber quem é o pai.

Num mudo às avessas, os casais levariam seus avós a festinhas em casas de festas, aos moldes das atuais casas para festas infantis. Lá estaria tocando, bem baixinho para que todos pudessem conversar à vontade, músicas de Carmem Miranda, Sílvio Caldas e Ataulfo Alves. Os velhinhos disputariam corridas com o andador, provas de escarro à distância e excitantes partidas do dominó e jogo de damas. E lógico, disputariam também quem teve mais AVCs. Seriam festas de arromba!

Num mundo às avessas, as concessionárias venderiam carros semi-velhos, os eletrodomésticos durariam muito e ninguém de telemarketing telefonaria de manhã cedo nos oferecendo assinaturas de jornais.

Num mundo às avessas o América Futebol Clube teria uma grande torcida, o Vasco seria um excelente time de futebol e ninguém seria flamenguista ou corintiano.

A Beija-flor seria uma escola de samba pobre e os cariocas adorariam passar o carnaval em São Paulo!

Num mundo às avessas os gordos seriam bonitos, desejados e conseguiriam comprar roupas com facilidade. Os homens admitiram publicamente que estão broxas e as mulheres jamais teriam dor de cabeça na hora de deitar. Inclusive, todos os homens só iriam querer as mulheres feias, que seriam disputadas e elegantemente cortejadas, até porque elas seriam vistas como bonitas. Aliás, até as sogras seriam agradáveis e os cunhados jamais pediriam dinheiro emprestado ou então pagariam quando algum lhes fosse, de livre e espontânea vontade, oferecido.

Num mundo às avessas ninguém seria chato, mal educado, ignorante ou desonesto. Todos seriam respeitados e amados. Não haveria traíções ou brigas de família ou entre vizinhos. Todos tratariam bem os animais e não desmataríamos nossas florestas. Ninguém faria xixi em árvores ou em praças públicas. Não seriam vendidos cigarros e não haveria drogas.

Seria um mundo de harmonia.

Num mundo às avessas todo o mundo espionaria o Obama, que seria loiro de olhos azuis. Já a presidente Dilma seria bonita e inauguraria as obras públicas, que seriam feitas no prazo e por menos dinheiro que o orçado. Uma grande vantagem de um mundo às avessas é que os políticos não roubariam, haveria boa escola e hospitais públicos, e o Lula seria abstêmio e teria os dez dedos, ou teria apenas um?

Num mundo às avessas, fast-food seria comida saudável e não aumentaria o colesterol e refrigerante, sorvete e chocolate não engordariam. As empadinhas não iriam esfarelar, nem dar azia a ninguém! Ninguém seria diabético e nem teria nenhum tipo de dor. Os enterros seriam alegres e ninguém mais precisaria usar terno no verão e só trabalharíamos nos finais de semana ou nos feriados, e não haveria engarrafamentos, porque o trânsito seria organizado.

Não seria perfeito?

Num mundo às avessas não existiriam segredos, porque ninguém jamais se meteria na vida dos outros. Todos seríamos sinceros e verdadeiros. Então, já seguindo a ideia de um mundo às avessas, devo confessar que esta doida concepção de mundo surgiu de uma hostil conversa que tive recentemente com um grande diretor de cinema e televisão. Devo até imaginar que neste mundo às avessas, este camarada seria gordo e a pessoa mais simpática e agradável que poderíamos encontrar. Até porque, só mesmo assim que ele receberá tais adjetivos…

Fica a idéia e uma pergunta: como seria seu mundo às avessas?


* Alessandro Lyra Braga é carioca, por engano. De formação é historiador e publicitário, radialista por acidente e jornalista por necessidade de informação. Vive vários dilemas religiosos, filosóficos e sociológicos. Ama o questionamento.

0 Comentários: