FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

AS NOIVAS DO VAMPIRO (LEGENDADO)

Print Friendly and PDF



The Brides of Dracula (br: As Noivas do Vampiro) é uma produção do estúdio inglês Hammer Film Productions, sendo uma espécie de sequencia ao filme Vampiro da Noite (Dracula, 1958). Dirigido por Terence Fisher, e estrelado por Peter Cushing, foi filmado no Bray Studios em 1960.

Ficha Técnica:
Produção: Anthony Hinds
Distribuição: Universal Pictures
Produtor associado: Anthony Nelson Keys
Produtor executivo: Michael Carreras
Música: Malcolm Williamson
Supervisão musical: John Hollingsworth
Diretor de fotografia: Jack Asher, B.S.C.
Desenhista de produção: Bernard Robinson
Maquiagem: Roy Ashton
Efeitos especiais: Sydney Pearson

Sinopse:
Marianne Danielle (Yvone Montaur) está viajando pelo Leste Europeu a fim de assumir o cargo de professora de francês em uma escola para moças na Transilvânia, agora livre da ameaça do Conde Drácula. Ela não é muito bem recebida pelos locais e acaba sendo acomodada no castelo da Baronesa Meinster, onde conhece o filho da nobre (David Peel), que vive acorrentado à parede. Com pena do jovem, Marianne decide libertá-lo sem desconfiar que ele é um vampiro.

Para sorte dela, o Doutor Van Helnsing (Peter Cushing, de Guerra nas Estrelas) está por perto e promete por fim à vida de mais este ser das trevas.

Elenco:
Peter Cushing como Dr. J. Van Helsing
Martita Hunt como Baronesa Meinster
Yvonne Monlaur como Marianne Danielle
Freda Jackson como Greta
David Peel como Barão Meinster
Miles Malleson como Dr. Tobler
Henry Oscar como Herr Otto Lang
Mona Washbourne como Frau Helga Lang
Andree Melly como Gina
Victor Brooks como Hans, um aldeão
Fred Johnson como Padre Stepnik, cura da aldeia
Michael Ripper como o cocheiro
Norman Pierce como Johann, estalajadeiro
Vera Cook como a esposa do estalajadeiro
Marie Devereux como uma garota da aldeia

Curiosidades:
O final original do filme teria os vampiros destruídos por uma multidão de morcegos. Isso se mostrou muito caro, e Peter Cushing considerou-o muito fantasioso para um personagem como Van Helsing, o que acabou inviabilizando-o. Tal conceito foi reciclado e três anos depois foi usado no clímax de Kiss of the Vampire (1963).

Ao contrário do que se acredita, Christopher Lee não se recusou a aparecer nesse filme, mas sequer foi chamado pelo estúdio, em razão de seu alto cachê.

Este é o único filme nas séries de Horror da Hammer onde o nome do Van Helsing original é mencionado — mas o seu cartão de visita bem como as iniciais na sua bolsa médica o identificam como J. Van Helsing, sugerindo que ele não é o Abraham Van Helsing de Bram Stocker.

Van Helsing só menciona uma vez Drácula, num breve diálogo.

Na segunda investida da Hammer na série "Drácula", observamos que o mesmo está presente apenas no título. No entanto, nos filmes subsequentes, o conde vampiro estará sempre representado por Christopher Lee, exceto no episódio derradeiro da série, o filme The Legend of The Seven Golden Vampires (1974), onde, numa mistura de artes marciais e vampirismo, Drácula aterroriza a China e é interpretado por John Forbes-Robertson.

0 Comentários: