FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

O NECROMANTE OU O CONTO DA FLORESTA NEGRA

Print Friendly and PDF


O Necromante, ou, O conto da Floresta Negra é um romance gótico escrito por Ludwig Flammenberg (que é um pseudônimo de Carl Friedrich Kahlert) publicado pela primeira vez em 1794. Ele é uma dos sete novelas "horríveis" satirizado por Jane Austen em Northanger Abbey, que se pensava não existir, exceto no texto da Abadia de Northanger.

O romance é composto por uma série de contos sombrios recheados com assombrações, violência, assassinatos e as aventuras sobrenaturais de Hermann e Helfried e o oficial misterioso Volkert, o Necromante, que, aparentemente, volta dos mortos, na Floresta Negra, na Alemanha.

Ele foi recentemente reeditado em uma edição moderna por Valancourt Books que confirma a identidade do autor alemão do livro. Originalmente disse ter sido traduzido do alemão de Lawrence Flammenberg por Peter Teuthold, um de seus inúmeros leitores, incluindo os leitores acadêmicos, assumiu que isso seja uma forma de adicionar a autenticidade de um texto gótico, alegando uma genealogia alemão. No entanto, este romance foi originalmente escrito em alemão por Karl Friedrich Kahlert e depois traduzido por Peter Teuthold.

Embora muito pouco se saiba sobre Teuthold, sua tradução, escrita infiel ao texto original em alemão, revela que ele é "um inglês conservador com simpatias anti-
jacobina que deliberadamente projetou sua tradução para desacreditar a literatura alemã". Além disso, a desorganização da narrativa (ou seja, sua estrutura confusa de narrativas de quadros) foi resultado da má gestão de Teuthold de suas fontes de tradução. "O que poderia ter sido uma antologia de lendas e contos sobrenaturais separados sobre a Floresta Negra foi apressadamente amalgamado em uma gótica ficção germânica de significado quase incompreensível para seduzir os leitores." Uma revisão contemporânea inglesa, publicado em 1794, comenta sobre a má qualidade da tradução de Teuthold: "Este trabalho chama-se uma tradução do alemão: em respeito para com nossos compatriotas, como autores, nós sinceramente desejamos que possa ser uma tradução. Devemos ficar tristes em ver um original em inglês tão cheio de absurdos."

Contemporâneas opiniões inglesas sobre o romance fornecem comentários sobre as crenças supersticiosas (por exemplo, a existência de necromancia, maldições, etc) dos personagens da novela, nas quais a maioria dos comentadores generaliza o povo alemão em suas opiniões: "Na Alemanha, não há dúvida, tais [superstições] causaram uma maior impressão e progresso que em nosso país: como o retorno de fantasmas, que é uma operação de recorrência frequente em O Necromante". Outro artigo diz que a novela "expõe as artes que têm sido praticadas em uma parte específica da Alemanha, para a realização de uma série de depredações noturnas na região, e infundem na multidão crédula uma firme crença na existência de feitiçaria." Outro comentário expõe sobre a utilidade do livro em desarmar crenças supersticiosas via entretenimento: "Para aqueles que gostam de ler histórias de fantasmas, este livro pode ser divertido, e também instrutivo, já que tende a mostrar quão facilmente superstições podem ser talhadas sem qualquer fundamento na realidade."

Em 1944, Michael Sadleir observou que "para descrições grandiloquentes de 'horríveis' episódios, com fervor estilístico puro na manipulação do sobrenatural, o trabalho tem classificação elevada entre os seus contemporâneos." Em 1987, Frederick Frank escreveu que o romance é um "exemplo esplêndido da Schauerroman em um ponto de não retorno racional."

Resumo da trama

Parte 1

Herman e Hellfried, dois colegas universitários e ex-amigos, reúnem-se em uma noite de tempestade, depois de trinta anos de separação devido ao emprego que os obrigou a viajar. Embora estivéssem contando suas viagens anteriores, a conversa gira rapidamente para o sobrenatural, e os dois começam a relatar uma série de aventuras maravilhosas. Hellfried começa a narrativa com uma história sobre um misterioso senhor inglês que está instalado na mesma pousada que ele. Durante a sua estada lá, Hellfried é atormentado por pesadelos e aparições, e perde valores diversos e todo o seu dinheiro. O senhor inexplicavelmente restitui-lhe vários de seus pertences e lhe fornece um empréstimo. Hellfried, buscando uma explicação para a série de eventos que se abateram sobre ele, encontra uma figura desconhecida em um encontro tarde da noite que alega ter as respostas que procura. A reunião termina em desastre, de alguma forma Hellfried fratura a perna e fica acamado por meses. A história termina com Hellfried voltando para a pousada e continuando suas viagens.

Depois de uma noite de descanso, Hermann continua a troca de contos com um relato de suas viagens com um ‘Baron de R’. Quando os dois viajavam pela Alemanha, chegaram a uma aldeia na Floresta Negra. Hermann e o Barão logo descobrem que o castelo vago na aldeia é assombrado por seu ex-senhor, "um homem muito mau e irreligioso, que encontrava grande prazer em atormentar os pobres." Depois de juntar forças com um tenente da Dinamarca, o grupo se depara uma série de eventos sobrenaturais e terríveis, culminando em um ritual em um calabouço escuro envolvendo um velho feiticeiro que é revelado como sendo o Necromante. Eles finalmente escapam, e chegam ao seu destino com segurança, concluindo assim a história. Após vários dias de conversa, Hermann e Helfried despedem-se. Antes de Hermann deixar a propriedade de Helfried, ele lhe dá um manuscrito com novas aventuras que compõem a segunda parte do romance.

Parte 2

Na segunda parte o romance prossegue de forma epistolar, com uma série de cartas de várias fontes. A primeira é do Barão, descrevendo o reencontro inesperado do primeiro com o tenente, 20 anos após sua aventura original, na Floresta Negra. Durante este tempo, o tenente dá o Barão um relato escrito de suas aventuras.

Tendo perdido um dos seus servos favoritos durante a aventura, na Floresta Negra, o Tenente começa uma busca por novos companheiros e "apressa-se afim de voltar para os arredores da Floresta Negra". Ele conhece um velho oficial austríaco que também compartilha contos sobre o sobrenatural. O austríaco conta a história de Volkert, um sargento de sua antiga guarnição que, segundo relatado, "era capaz de realizar muitas façanhas estranhas e maravilhosas". Volkert muitas vezes se envolveu com o misticismo como um serviço para seus colegas militares e para as pessoas da aldeia em que ele estava estacionado. Volkert chegou, inclusive, a servir como canal para o marido de uma mulher recém-viúva para que ela pudesse entender porque ele havia proibido sua filha de se casar com seu noivo. O fantasma do pai revela que o noivo é, na verdade, irmão da jovem, e a garota morre de tristeza logo depois. Como resultado, Volkert cessa seu experimento com o ocultismo. A pedido de vários soldados, no entanto, Volkert retorna à magia com a convocação de outro barão estrangeiro que tem contendas com um oficial de seu grupo. O austríaco e seus camaradas estão "congelados com o horror" seguido após o incidente. Este Barão estrangeiro depois escreve para o oficial, acusando-o de criar "torrentes infernais por meios sobrenaturais" e acelera a sua chegada à cidade para prosseguir com a contenda. Volkert deixa a cidade sabendo que corre o risco de ser envolvido no conflito, mas não antes de informar às autoridades da cidade sobre o combate na manhã antes que este aconteça. O duelo ocorre, e o oficial da aldeia sai lesionado, enquanto o Barão estrangeiro é preso. Aqui, o austríaco conclui a sua história. Quando os soldados perguntam o que aconteceu com Volkert, o austríaco diz: "ele está morto". O austríaco e o tenente partem juntos e retornam para a Floresta Negra, na tentativa de chegar ao fundo do mistério. Quando eles retornam ao castelo assombrado, eles encontram uma passagem secreta e ouvem uma conversa entre um bando de ladrões. Eles tomam conhecimento de que o servo do tenente ainda está vivo. Os ladrões conseguem escapar antes que os heróis pudessem enfrentá-los. Depois de mais uma série de pequenos eventos sobrenaturais, os heróis decidem enfrentar o Castelo assombrado mais uma vez, sabendo que o Necromante ainda está de alguma forma ligado aos inumeráveis infortúnios sobrenaturais que lhes aconteceram. A segunda parte do romance termina com os preparativos para este esforço.

Parte 3

A terceira parte do "The Necromancer" continua com a história do Tenente, enquanto se prepara para a sua aventura com o austríaco e uma miscelânea de outros oficiais. Eles conseguem cercar o Necromante em uma pousada da aldeia perto do Castelo Assombrado. Depois eles testemunham uma sessão em que o Necromante convoca um fantasma, então os heróis invadem a sala. O austríaco percebe que o Necromante e Volkert são a mesma pessoa. Depois de uma rodada de interrogatório brutal, os oficiais decidem deixar o, agora enfraquecido, Necromante por sua própria conta. Durante a viagem, o tenente procura alojamento na cabana de um lenhador suspeito e é emboscado na noite por "três companheiros de um tamanho gigantesco". Estes homens capturam-no e levaram-no até uma assembléia de criminosos. Entre eles está Volkert. O tenente é libertado da captura graças a sua leniência com Volkert e volta à vila. Como o tenente continua suas viagens, ele encontra seu servo perdido. O servo descreve como ele foi capturado e forçado a entrar para o mesmo bando de ladrões que havia até agora permeado a narrativa do romance. Com esse conhecimento, o tenente é capaz de ajudar na captura do bando e seu posterior julgamento. Entre os presos está Volkert, que explica suas origens para o tenente. Foi durante seu trabalho como servo de um nobre alemão que ele começou seus experimentos com o ocultismo. Ele admite a natureza duvidosa de seu ofício, admitindo que "fez tudo o que podia para drenar as bolsas dos fracos e crédulos". O Necromante começa a recontagem de todos os seus enganos e supostas feitiçarias, incluindo a história do noivo e do embate na aldeia, que foi encenado. Ele admite suas vergonhosas maquinações tortuosas: "basta dizer, que um relato completo das minhas fraudes iria encher muitos volumes... eu tinha, pelo espaço de seis anos, realizado meus truques com tanta reserva, que poucos de meus atos criminosos eram conhecidos... Eu sempre sofri por ser cegado por dois poderosos encantos: o ouro e a ambição". A narrativa começa em seguida, com o julgamento dos bandidos, incluindo o depoimento de um estalajadeiro chamado Wolf, que muitas vezes liderou os criminosos ("o capitão dos ladrões") e que fez a maioria dos enganos possíveis. Depois de nomear seus cúmplices e suas localizações, Wolf é finalmente condenado à prisão perpétua na Floresta Negra, "onde ele terá amplo espaço para refletir sobre sua vida passada".

Estrutura da Narrativa

O Necromante é notável na medida em que é contado por meio de múltiplos quadros de narrativas aninhadas; tanto sequências verbais quanto epistolares de personagens que contam suas próprias histórias para aumentar o realismo. Secundário ao momento da publicação do romance essas sequências foram absorvidas pelo gênero gótico e tornaram-se indicações para os leitores contemporâneos, confirmando o trabalho como ficção, ou pelo menos de origem suspeita. Esta tradição ganha seu pico de reconhecimento dentro do romance gótico na obra mais famosa de Mary Shelley, Frankenstien.

A maior parte da história é contada por um narrador semi-onisciente, que descobrimos no final do livro ser Helfried. Dentro desta estrutura, somos apresentados às primeiras histórias de Helfried e Hermann, respectivamente, contadas a partir do ponto de vista de cada um. Muitas vezes, várias narrativas menores são apresentadas ao leitor por um narrador único dentro de sua história, que oferece esses relatos em primeira mão como mais qualificado para explicar detalhes do que ele próprio poderia. Isso resulta em uma série de eventos que se encapsulam; onde uma história contada por um personagem pode conter múltiplas histórias relatadas por outros, que cada um, por sua vez, tem uma outra história para contar.

Traduzido por Elizabeth Costa (Lizza Bathory). Confira o original clicando aqui.

0 Comentários: