FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

Femme Fatale: Mary Pearcey

Print Friendly and PDF


Mary Eleanor Wheeler nasceu em 1866, e pouco se sabe de sua vida, só que quando ela tinha 14 anos de idade seu pai Thomas Wheeler foi enforcado, em 29 de novembro de 1880, na prisão de St Albans, pelo assassinato de um fazendeiro local, Edward Anstee. Em sua cela na prisão Thomas havia escrito uma carta para a viúva do fazendeiro se desculpando pelo o que ele tinha feito, e pediu perdão e suas orações para que seus pecados não caíssem sobre sua esposa ou filha, infelizmente, como eventos futuros mostram que isso ocorreu.

Mary, no final da adolescência, teve um relacionamento com um carpinteiro chamado John Charles Pearcey e, apesar de nunca ter se casado, ela ganhou seu sobrenome e continuou a usá-lo depois que eles se separaram. Mary era conhecido por sofrer de depressão e também bebia muito fortemente, ela nunca trabalhou e passou a maior parte de seu tempo na companhia de homens ricos, um desses amigos, cavalheiro Charles Creighton, alugou apartamentos para ela em Priory Street, Kentish Town, norte de Londres.

Ela, então, começou um caso com o Sr. Frank Samuel Hogg, que era casado com uma jovem chamada Phoebe. Na manhã de 24 de outubro de 1890, Mary pediu a um rapaz para fazer um recado para ela e entregar uma nota para a esposa de Frank Samuel, Phoebe, convidando-a para o chá.

No 7:00 corpo de uma mulher foi encontrado deitado numa calçada na estrada Crossfield por um homem voltando do trabalho. A cabeça da mulher estava enrolada em um casaco de lã, que um policial removeu revelando o rosto manchado de sangue de Phoebe Hogg. No necrotério, foi descoberto que ela havia sofrido uma fratura no crânio e um grande ferimento na garganta, o ferimento foi tão grave que quase a decepou. Um exame do local onde o corpo foi encontrado indica que o assassinato teria ocorrido em outro lugar. Mais tarde naquela noite, um carrinho de bebê bastante ensanguentado foi descoberto em Hamilton Terrace, cerca de um quilômetro de onde o corpo havia sido descoberto. Na manhã seguinte, o corpo de uma criança foi encontrado, a criança havia morrido por asfixia. Frank Hogg e sua irmã Clara, ao ouvir sobre a descoberta do corpo de uma mulher, foram até a delegacia para relatar sobre sua esposa desaparecida. Frank então enviou Clara para ver Mary para perguntar se ela tinha visto Phoebe. Mary negou ter visto Phoebe, mas concordou em acompanhar Clara até o necrotério para ver se o corpo da mulher era, na verdade Phoebe. O comportamento de Mary no necrotério era estranho, e ela tentou de tudo para impedir que Clara identificasse o corpo. Clara, apesar das tentativas de Mary para detê-la, identificou o corpo como o de Phoebe Hogg, e também identificou o carrinho como dela. Um
vizinho disse à polícia que tinha visto Mary empurrando o carrinho de bebê com um objeto grande na noite do assassinato. Quando Frank foi informado que o corpo tinha sido identificado como o de sua esposa, ele confessou ter um caso com Mary. A polícia, agora suspeitamen de Mary, procurou na Priory Street e encontrou manchas de sangue na cozinha, junto com um atiçador e faca manchados de sangue, duas janelas quebradas na cozinha e sinais de luta. Quando questionada sobre o porque de ter uma faca manchada de sangue, Mary respondeu: "Matar ratos, matar ratos, matar ratos".

Enquanto sua casa estava sendo revistada, Mary sentou-se ao piano e tocou músicas populares.

Mary foi preso e acusado do assassinato de mãe e filho, e quando procurado, manchas de sangue foram encontradas em sua roupa e o anel de casamento de Phoebe Hoggs.

Mary foi julgado no Old Bailey, considerada culpada e sentenciada à forca. Em sua última noite ela pediu ao seu advogado para colocar um anúncio pessoal no jornal Madrid (mecp last wish of mew, have not betrayed mew). Mary se recusou a revelar o significado da mensagem, e foi enforcada em 23 de dezembro 1890, o carrasco foi James Berry.

Madame Tussaud, posteriormente, encomendou um modelo de cera de Mary Pearcey, e também comprou o carrinho de bebê pertencente a Frank Hogg.

Mary foi descrita como tendo de 5 pés a 6 de altura, com o cabelo ruivo e olhos azuis. Sir Melville Macnaghten disse de Pearcey, "Eu nunca vi uma mulher com um corpo mais forte".

William Stewart, em seu livro "Jack The Ripper - A New Theory", sugeriu Pearcey como uma possível suspeita de ser o Estripador, quando percebeu as semelhanças entre o assassinato da Sra. Hogg e os assassinatos de Whitechapel. Ele observou o corte selvagem na garganta, a matança em privado e depois o abandono do corpo em um lugar público, que ele também acreditava que era MO do Estripador, que explicaria porque nenhuma testemunha ouviu gritos de nenhuma das vítimas do estripador. A teoria de Stewart no entanto contradiz completamente toda a evidência médica que mostra que todas as vítimas foram assassinadas onde elas foram encontrados.

Fonte: CaseBook.org

0 Comentários: