FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

MICTLANTECUHTLI - O SENHOR DO REINO DOS MORTOS

Print Friendly and PDF


Também denominado Micli ou Mictlantecuhtli (Senhor do Reino dos Mortos, na língua asteca, mikt͡ɬaːn ˈtekʷt͡ɬi), deus que é o governante de Mictlan, a seção menor e mais setentrional
do submundo asteca. Ele era um dos principais deuses dos astecas e era o mais proeminente de vários deuses e deusas da morte e do submundo. A adoração de Mictlantecuhtli às vezes envolvia ritual de canibalismo.

Duas estátuas de barro em tamanho natural de Mictlantecuhtli foram encontradas marcando a entrada para a Casa dos (Guerreiros) Águias, ao norte do grande templo de Tenochtitlan.

Mictecacihuatl tem o papel é zelar pelos ossos dos mortos e presidiu ao longo dos antigos festivais dos mortos, evoluindo da tradição asteca para o Dia dos Mortos moderno, após síntese com tradições culturais espanholas. Sua imagem atual mais aproximada é La Catrina, uma representação do artista José Guadalupe Posada.

Segundo a lenda, os mortos, ao entrar no reino de Mictlan, tem sua carne lavada dos ossos por uma ventania de facas. O único alimento no Mictlan eram cobras venenosas.

Mictecacihuatl é conhecida como a Senhora dos Mortos, pois acredita-se que ela nasceu e foi sacrificada. Seu culto muitas vezes se confunde também com cultos mexicanos em honra de Santa Muerte.

Mictlantecuhtli foi descrito como um esqueleto manchada de sangue ou uma pessoa vestindo um crânio aberto com dentes salientes. Apesar de sua cabeça ser tipicamente um crânio, suas órbitas continham olhos, mas muitas vezes ele mantinha os olhos fechados, pois ele não precisava de olhos para ver. Sua mantilha foi mostrada decorada com penas de coruja e bandeiras de papel, e ele usava um colar de olhos humanos, enquanto suas jóias (earspools) eram feitos a partir de ossos humanos. Ele não era o único deus asteca a ser descrito desta forma, inúmeras outras divindades tinham cabeças de crânios, ou então usavam roupas ou decorações com ossos e crânios incorporados. No mundo asteca, a aparência esquelética era um símbolo de fertilidade, saúde e abundância, aludindo às estreitas relações simbólicas entre a morte e a vida. Ele foi muitas vezes retratado usando sandálias como um símbolo de sua alta posição como Senhor de Mictlan. Seus braços foram descritos frequentemente aumentados em um gesto agressivo, mostrando que ele estava pronto para rasgar os mortos quando eles estivessem em sua presença.

Nos códices astecas Mictlantecuhtli é muitas vezes representado com a mandíbula do esqueleto aberta para receber as estrelas que descem para ele durante o dia.

Sua esposa era Mictecacihuatl, e, juntos, foram morar em uma casa sem janelas em Mictlan. Mictlantecuhtli foi associado com as aranhas, corujas, morcegos, a décima primeira hora, e a direção da bússola do norte, conhecido como Mictlampa, a região da morte. Ele era uma das poucas divindades a governar sobre todos os três tipos de almas identificadas pelos astecas, que distinguiam entre as almas das pessoas que morreram por mortes normais (de velhice, doença, etc), as mortes heróicas (por exemplo na batalha, sacrifício ou durante o parto), ou mortes não-heróicas.

Mictlantecuhtli e sua esposa eram os opostos de Ometecuhtli e Omecihuatl, os doadores da vida. Mictlanteculhtli era o deus do signo Itzcuintli (cão), um dos 20 signos reconhecidos no calendário asteca, e foi considerado como o fornecedor das almas daqueles que nasceram no mesmo dia. Ele era visto como a fonte de almas para aqueles nascidos no sexto dia da semana de 13 dias (Trecena) e foi o quinto dos nove deuses da noite dos astecas. Ele também era o segundo na Semana de Deus na décima semana do ciclo de vinte semanas (Tonalpohualli) do calendário asteca, juntando-se ao deus do sol (Tonatiuh) para simbolizar a dicotomia entre luz e escuridão.

Na mitologia asteca, depois de Quetzalcoatl e Tezcatlipoca criarem o mundo, eles colocaram a sua criação em ordem e colocaram Mictlantecuhtli e sua esposa no submundo. Segundo a lenda asteca, os deuses gêmeos Quetzalcoatl e Xolotl foram enviados pelos outros deuses para roubar os ossos da geração anterior de deuses de Mictlantecuhtli. O deus do submundo tentou bloquear a fuga de Quetzalcoatl com os ossos e, embora ele não tenha conseguido, ele forçou Quetzalcoatl a soltar os ossos, que foram espalhados e quebrados pela queda. Os ossos quebrados foram coletados por Quetzalcoatl e levados de volta para a terra dos vivos, onde os deuses os transformaram em várias raças de mortais.

Quando uma pessoa morria, eles eram enterrados com grandes bens, que levariam com eles na longa e perigosa viagem para o submundo. Após a chegada em Mictlan esses bens eram oferecidos para Mictlantecuhtli e sua esposa.

FONTE: http://en.wikipedia.org/wiki/Mictlantecuhtli

0 Comentários: