FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

A polícia dispara gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar alguns manifestantes na cidade de Fortaleza e agitação continua em todo o país

Print Friendly and PDF


Pelo menos 30 mil pessoas se reuniram em Fortaleza antes do jogo da Copa das Confederações entre Brasil e México.

A agitação foi provocada pelo aumento dos preços dos transportes em São Paulo, mas tem crescido agora em descontentamento mais amplo sobre os serviços públicos e corrupção.

Autoridades no Rio e em São Paulo disseram que os aumentos de preços recentes seriam revertidos.

Os prefeitos de Cuiabá, Recife, João Pessoa e outras cidades já anunciaram a redução das tarifas de ônibus em resposta aos protestos.

Mais de 250 mil pessoas tomaram as ruas em mais de uma dúzia de cidades em todo o Brasil ao longo dos últimos dias.

A mudança na cobrança no Rio e em São Paulo foi anunciada pelas autoridades das duas cidades na quarta-feira. O anúncio é visto como uma grande vitória para o movimento de protesto, dizem correspondentes.

O governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin e o prefeito da cidade, Fernando Haddad, disseram que tinham dado o passo para permitir o diálogo com os manifestantes pacíficos. Grandes manifestações estão previstas para amanhã no Rio e São Paulo.

"Fazer a coisa certa"

Os manifestantes em Fortaleza começaram a sua marcha na estrada principal que conduz ao estádio. Os confrontos eclodiram quando a marcha foi interrompida pela polícia. Alguns manifestantes começaram a atirar pedras, enquanto a polícia disparava balas de borracha e gás lacrimogêneo. Várias pessoas ficaram feridas, incluindo policiais.

O acesso ao estádio foi bloqueado por pelo menos 30 minutos, mas a polícia mais tarde, permitiu que as pessoas ficassem em frente ao estádio, que começou às 19:00 GMT.

Ben Smith, da BBC, em Fortaleza, disse que durante o protesto alguns manifestantes carregavam cartazes com os dizeres: "Um professor vale mais do que Neymar" - em referência a estrela do futebol do Brasil que jogou - e marcou um gol - contra o México.

Enquanto isso, outros jogadores da seleção expressaram seu apoio aos manifestantes.

"Depois de ver as pessoas nas ruas reivindicando melhorias, isso me fez me sentir junto a eles'', o atacante Hulk foi citou à Associated Press.

"Eles estão fazendo a coisa certa, o que eles estão dizendo faz sentido e temos que ouvi-los. Brasil precisa melhorar, todos nós sabemos disso", acrescentou.

Num desenvolvimento separado, o presidente da Fifa, Sepp Blatter, exortou os manifestantes para não "usarem o futebol para fazer suas reivindicações serem ouvidas".

Mas falando sobre Brasil, à TV Globo, ele acrescentou: "Eu posso entender que as pessoas não estão felizes."

Dilema

Na terça-feira, a polícia de choque e manifestantes entraram em confronto em São Paulo. Lojas e bancos foram vandalizados por grupos de ativistas mascarados, que lutaram com outros manifestantes que tentavam acabar com a violência.

A instabilidade atual é a maior desde 1992, quando as pessoas saíram às ruas para exigir o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello.

O vice-presidente Michel Temer interrompeu uma visita a Israel e aos territórios palestinos na quarta-feira para voltar ao Brasil. No entanto, a presidente Dilma Rousseff disse que estava orgulhosa de haver tantas pessoas lutando por um país melhor.

O governo do Brasil mais cedo avisou que iria implantar a Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) nas cinco cidades-sede da Copa das Confederações: Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Fortaleza e Brasília.

As autoridades disseram que Recife foi a única cidade-sede que não solicitou o apoio da força. O torneio é visto como um evento dos jogos de abertura da Copa do Mundo de futebol do próximo ano.

Muitos dos manifestantes reclamaram das enormes somas gastas em construção para a Copa do Mundo e as Olimpíadas de 2016, que será organizada pelo Rio de Janeiro.

O dilema para a liderança política do país é como responder a tantas preocupações diferentes entre um vasto grupo de pessoas com força e meios de comunicação social do seu lado, dizem correspondentes.

FONTE: BBC News

0 Comentários: