FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

A preparação do Cacto San Pedro para Consumo

Print Friendly and PDF


INTRODUÇÃO

Anos atrás, no início de 1970 fiz amizade com os funcionários de uma loja de plantas na Universidade do Distrito Seattle. O que foi realmente legal é que eu descobri que o dono desta loja também foi o autor, bem como o editor de vários livros, tais como "How to Grow the Finest Marijuana Indoors under Halides" e "How to Grow Pot Hydroponically". Ele também publicou "How to Identify and Grow Psilocybe Mushrooms", de Jule Stevens e Rich Gee.

Um dos funcionários e eu fomos para o Seattle Arboretum em 1975 e estávamos jogando Frisbee quando eu deixei cair o Frisbee no chão na seção da Floresta do Parque do Seattle Arboretum. Quando eu me abaixei para pegar o Frisbee notei alguns cogumelos interessantes no campo em que estávamos jogando. Eu, então, tirei um cogumelo do chão e percebi que era Psilocybe semilanceata. Isso realmente me surpreendeu. Mostrei a meu amigo este cogumelo e ele disse-me que talvez eu estaria interessado em tentar um "Cactus San Pedro", que, segundo ele me disse, continha mescalina.

Naquela época, no início dos anos de 1970 meio, eu aprendi que este cacto era do Peru e do Equador e que ele foi usado ritualmente em cerimônias semelhantes às associadas com o uso ritualístico da Peyote. Logo li alguns papéis e aprendi que os nativos desses países preparavam seus cactos como uma bebida, a Chimora.

Os povos indígenas do Peru que usavam este cacto para fins medicinais cortavam e picavam as estrelas e, em seguida, ferviam o material por horas e horas para obter os alcalóides da mistura com a água. Por vezes, a preparação culinária levava 8-24 horas. Depois do que a bebida passaria através de um pano e o líquido era coletado em vasos de barro, o que permitia aos índios obter o suco sagrado para uma experiência mais gratificante.

Em 1976, o custo de tal um cacto nos Estados Unidos era de US$ 3,00 para um corte de 1-2 libras e esse tamanho era equivalente a 4 a 6 doses de peiote fresco. Em termos químicos a quantidade de 1-2 libras do cacto San Pedro era o equivalente e/ou igual a 300 a 500 miligramas de sulfato de mescalina farmacêutica.

Meus amigos da loja me disseram que eu teria que cortar e cozinhar o cacto por cerca de quatro horas ou mais e depois beber o líquido restante. Então, eu comprei cerca de dez cactos e plantei todos, mas um deles em minha casa. Vários deles eu mantive em uma livraria, agora fora dos negócios, na zona da Universidade de Seattle.

Bem, eu piquei o cacto e coloquei-o em um pequeno pote e deixei ferver os pedaços picados. Deixei esta gosma ferver por algumas horas e, em seguida, filtrei a polpa do cacto e esperei ele refrescar para beber. E eu o fiz. Depois de duas horas eu senti apenas um pouco de formigamento e não conseguia dormir a noite inteira, mas eu nunca consegui dormir muito mesmo.

Naquela época, a revista High Time tinha apenas um ano e meio de idade, com cerca de seis números publicados, e agora eles estavam indo para a publicação mensal. No seu primeiro ano de publicações mensais havia muitos anúncios de "estacas de Cacto de San Pedro: dez dólares por cada corte". Imaginei que centenas de pessoas interessadas tinham comprado este cacto, cozinhado, bebido o líquido (não o suficiente para afetar ninguém), e depois, quando nada de psicoativo ocorria, passaram a pensar que eles regiamente que tinham sidos enganados e roubados. Que vergonha.

Eu aprendi alguns dias depois com meus amigos que eu não tinha preparado o cacto da maneira correta e estava aparentemente demasiadamente apressado no meu método de preparação. Lembrei-me de que os índios do Peru e do Equador que usam estes cactos (13 espécies diferentes contêm mescalina) tinham que ferver o preparado em um caldeirão preto (chaleira), por pelo menos, 12 a 24 e quatro horas. No entanto, eu do mundo ocidental, sabia o segredo do liquidificador. Algo que o índio não tem acesso na sua selva. O Blender Elétrico mágico.

Então aqui está um dos muitos métodos adequados para preparar e cozinhar este cacto. E sim, eu usei este método desde o final da década de 1970 e acho que foi o melhor método que eu empreguei.

As fotografias neste artigo e na preparação deste cacto foram preparadas na ilha de Koh Samui, onde não existem leis contra o consumo desta bebida mágica conhecida como Chimora. Depois que voltei do sudeste da Ásia eu escrevi o texto e agora vou apresentar aqui o passo-a-passo ilustrado sobre o processo de preparação para cozinhar este lindo maravilhoso exótico presente da mágica enteogênica dos deuses.

PREPARAÇÃO

Itens usados ​​na preparação de Chimora incluem um liquidificador, uma panela, uma colher ou espátula de madeira, dois recipientes de salada de batata vazios (do mesmo tamanho) e um pano limpo usado para coar.
1. O processo inicia-se com um corte de um pé de um trichocereus pachanoi cactus que proporciona uma dose única.
2. O fim do cacto tem o formato de uma estrela, geralmente com 4-9 pontas.
3. A seção de um pé de cacto é cortado como um pepino em rodelas em forma de estrelas.
4. As estrelas são, então, cortadas em cubos para que elas se encaixem no liquidificador. Os espinhos podem ser deixados sobre o cacto pois o processo de ebulição os suavizará em sequência como pedaços de material que podem ser descartados.
5. Uma porção dos pedaços de cactos são
colocadas em um recipiente e uma quantidade igual de água é colocado no outro.
6. Os pedaços de cacto e de água são despejados em um liquidificador.
7. Esta mistura é liquefeita até que os restos de cacto expandir-se-ão para a parte superior do liquidificador. Depois é a mistura resultante é vertida num grande vaso de 3-5 litro. Este processo é repetido até que todo o cacto tem sido liquefeito e vertido no pote.
8. A mistura de cacto/água é cozido lentamente em fogo baixo por cerca de 30 minutos. Inicialmente, a celulose do cacto separa da água e fica por cima do líquido.
9. A pasta irá subir ao topo do recipiente, formando uma espuma, que pode transbordar. Um fogão a gás é preferível, uma vez que permite uma melhor regulação da temperatura de cozimento.
10. Como a mistura continua a cozinhar, ela se recombina em um líquido e começa a ficar verde, como a pele do cacto. Durante este tempo, ela precisa ser mexida. Baixo calor e agitação são especialmente importantes durante esta primeira meia hora de cozimento.
11. Lentamente, ao longo do tempo, mexa o polposo lodo verde com a água até atingir a consistência de cola ou muco.
12. Depois da água e da pasta ter se unido, o calor pode ser aumentado ligeiramente permitindo que o líquido ferva (fervura leve) continuamente, mas sem transbordar para cima do fogão.
13. A mistura é deixada a ferver suavemente durante duas a quatro horas, até 12 a 16 gramas de viscosidade sejam depositados no fundo da panela.
14. Durante o período de 2-4 horas a mistura precisa ser cuidadosamente monitorada para evitar queimar. Outras 12 a 16 onças ou mais de água podem ser adicionados para prolongar o período de ebulição. Eventualmente, a mistura torna-se uma bola confusa de gosma pegajosa.
15. Um pedaço de pano limpo de fibra natural (uma parte de uma t-shirt está a ser utilizado na foto) é colocada sobre a parte superior do misturador, formando uma bolsa, que funciona como um filtro.
16. A mistura é passada da panela para o pano. O líquido escoa lentamente através do pano e pinga no liquidificador. O material de celulose é pego na bolsa de pano. Este processo é repetido até que toda a polpa seja vertida sobre o filtro de pano.
17. Um pedaço de corda é usado para amarrar a parte superior do pano fechando-o ao redor da polpa. O saco de celulose é suspenso sobre o liquidificador permitindo que o suco seja drenado a partir da polpa, através do tecido, para dentro do liquidificador. Depois de 15 minutos, quando a polpa tenha esfriado consideravelmente, o líquido restante é espremido à mão do saco para o liquidificador.
18. O líquido é arrefecido por um curto período de tempo até atingir uma temperatura que não queima na boca ou garganta. Abrindo a t-shirt revele a polpa restante. Desde que os componentes psicoactivos já tenham sido extraídos a partir deste material, ele deve ser descartado.
19. Finalmente, o sumo do liquidificador é vertido num copo.

CONCLUSÃO

Um copo de suco de cactus é muito mais fácil de engolir do que mascar o amargo cactus fresco ou. Cada gole da mistura pode ser acompanhado por um copo de água ou outra bebida para combater o sabor levemente amargo do suco de São Pedro. A eliminação da mastigação do material do cactus também ajuda a atenuar as náuseas comumente associadas com a ingestão de cactus.

Engolir este suco lentamente ao longo de meia hora ou menos (em vez de beber rapidamente) pode ajudar a acostumar o corpo com o material suavemente e evitar o choque do sistema nervoso.


Copyright © 2005 John W. Allen e Erowid


FONTE: erowid.org

Entenda Mais

Tocha Peruana (Trichocereus peruvianus) é um cactus diretamente relacionado com São Pedro (Planta). Possui 10 vezes mais mescalina, aproximando-se do peiote.

Estima-se que os cactos de San Pedro (Trichocereus pachanoi) venha sendo usado pelos nativos americanos há muitos séculos em especial pelos índios do Peru, da Venezuela e também pelos Yanomami do Brasil (cujas terras fazem fronteira com a Venezuela). Também conhecido como "O cactos dos quatro Ventos", o San Pedro tem um formato de coluna com quatro ou mais gomos e era utilizado em práticas rituais similares à tradição dos índios mexicanos que consumiam o peyote.

A finalidade da ingestão era a mesma: o contato com os deuses e as visões mágicas proporcionadas pela planta sagrada que produzem a cura de doenças físicas e psíquicas.

O uso do cacto Trichocereus Pachanoi, popularmente conhecido com San Pedro, no panorama americano do uso de plantas enteógenas está ligada à área do mescalinismo. O uso deste cacto tem fins terapêuticos e adivinhatórios e deve ser estudado no contexto geral dentro dos rituais xamânicos.

O poder terapêutico de uma planta, nas tradições xamânicas andinas, manifesta a qualidade peculiar da planta, seu "poder" ou "virtude", e este poder, que é o caso das plantas sagradas e de certas plantas que gozam de especial prestígio mágico e terapêutico, manifesta a presença de um espírito. Por isso, dentro dessa tradição, "poder", "virtude" e "espírito", são sinônimos.

Cultivo

Os cortes de Bridgesii podem ser cultivados em vasos ou diretamente no solo, ambos devem ter uma boa drenagem, a drenagem é fundamental para o bom desenvolvimento e sobrevivência do cacto, uma mistura de 1/4 de perlita (ou Vermiculita), 1/4 de areia, 1/4 de composto orgânico e 1/4 de terra argilosa é o ideal, mas desde que garantida a drenagem qualquer solo serve. Os cortes não devem ser enterrados, devem ser colocados em pé sobre o nível do solo e amarrado em uma estaca de apoio, este solo deve estar "fofo" para que as raízes tenham facilidade para crescer, regue apenas uma vez e deixe o cacto sem água até que enraíze bem.

Depois de um a dois meses regue uma vez por semana, caso demore para as raízes crescerem suspenda a água até que o enraizamento seja satisfatório. A rega pode ser diária, semanalmente ou mensalmente, de qualquer forma é importante que tenha um período com água e um período de seca durante o ano, quando colocado no jardim se adapta ao regime de chuvas, não se preocupe se chove muito ou se não chove a dois meses, porém o Cacto Bridgesii não suporta frio e umidade juntos (geada por exemplo), em uma região muito fria e úmida é necessário protegê-lo da umidade.

O cacto Bridgesii é muito exigente quanto ao fornecimento de luz, quando a luz não é suficiente ele logo acusa o problema crescendo extremamente rápido, ficando mais fino e mais claro, um lugar sem luz não serve para o cacto se desenvolver. Os cortes de Bridgesii crescem rapidamente, e à medida que crescem as raízes preenchem todo o vaso, este é o momento de transplantar o cacto para um vaso maior.

Trichocereus pachanoi

Echinopsis pachanoi, conhecida como Wachuma e São Pedro, é um cacto originário dos Andes. Wachuma significa, na língua Quíchua, "ébrio e consciente". O nome São Pedro tem origem no catolicismo, quando fala-se de morte, em alusão à transcendência que a planta proporciona com o papel de São Pedro do cristianismo. Estudos arqueológicos remetem a origem do seu uso a pelo menos 2.000 anos na cultura Chavin. Já foram identificadas algumas variedades ou adaptações nas diversas regiões andinas no sul do Equador (Var. KK339 e KK591) e norte do Peru (Var.KK2150).

Efeitos

Segundo Trenary K. autor do livro "História da mescalina", o uso ritual desse cacto (Trichocereus pachanoi) foi documentado pela primeira vez, no Equador em 1945, identificando a mescalina como seu elemento ativo.

Os efeitos experimentados devem-se tanto ao contexto ritual em que é empregado como a uma substância chamada
mescalina, presente nessa e em outras plantas, sendo a mais conhecida o peiote, também um cactus. A dose eficaz para a mescalina é de 300 a 500 mg e os efeitos duram aproximadamente de 10 a 12 horas.

0 Comentários: