FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

Entrevista com Graveland

Print Friendly and PDF




Nota:A entrevista abaixo não expressa a opinião dos autores do blog.


 Abaixo, tradução da entrevista com o Graveland à Decibel Magazine, em janeiro de 2010.

Graveland é considerada uma banda NSBM e parece ser uma inspiração para muitas outras. Você se considera um Nacional-Socialista? Você é um membro de alguma organização White Power ou Nacional-Socialista?



Eu não acho que Graveland é uma banda NSBM. Eu nunca disse nada disso. Graveland é considerada NSBM por causa de minhas convicções políticas, que a maioria das pessoas chamaria de convicções nacional-socilistas de extrema-direita. Isso só é verdade até certo ponto, porque, para mim, o misticismo e as crenças pagãs antigas são mais importantes. A política é menos relevante. Graveland é uma banda. A música é o mais importante na Graveland. A música inspirada pelo misticismo pagão e o culto do guerreiro. Eu acho que o significado do NSBM está distorcido.

Combinar Nacional Socialismo com o Satanismo não é uma verdadeira convicção política. É mais uma forma de algumas bandas alcançarem uma imagem mais maligna. NSBM é uma criação artística que combina escândalo e controvérsia. É uma criação de músicos, não políticos. Se olharmos mais atentamente este fenômeno, veremos algumas diferenças importantes cruciais entre o Nacional Socialismo e as ideologias satanistas. No Terceiro Reich, os satanistas acabariam em câmaras de gás. Estou convencido disso e lembre-se de minhas palavras......

Existem tendências no NSBM que são inspiradas pelo Nacional Socialismo, mas não tem nada a ver com satanismo.

Embora estas bandas ainda toquem BM puro, é importante e eu acho que é hora de definir essa tendência com um nome próprio musical, porque o Black Metal será sempre associado com o Satanismo.

No passado, eu era membro de “Temple of The Full Moon”. Era uma cópia, talvez mais idealista em alguns pontos, do Inner Circle norueguês. Depois eu fui membro da organização pagã "Rodzima Wiara" (Crença Nativa). Mas isto é passado. Eu não quero mais ser um membro de qualquer organização.

Não vejo qualquer sentido em fazer referência ao Nacional Socialismo, porque eu não vejo nada para destacar sobre quaisquer ideologias que perdeu. É contra a lógica e a eterna lei da evolução. Eu acho que o homem branco deve procurar por novas ideias que possam ser adaptadas à realidade atual e aos problemas do mundo contemporâneo.
Entrevistas recentes publicadas no site Graveland parecem indicar que você está tentando se distanciar do Black Metal. Isso é verdade? Em caso afirmativo, por quê? Seu álbum, “Fire Chariot Of Destruction”, parece mais Black metal que qualquer outra coisa.
Eu não quero que minha banda seja identificada com satanismo. Black Metal será sempre identificado com satanismo, porque o satanismo é inseparavelmente ligado ao Black Metal. Desde o início de Graveland, nós combinamos paganismo com o satanismo. Isso aconteceu porque as pessoas com quem eu tocava eram satanistas e eles não estavam interessados no paganismo. E devido a essas diferenças, no fim, começamos a caminhar em direções diferentes e a Graveland se tornou a banda de uma pessoa (one-man band) novamente. E, desde então, eu insiro o paganismo na Graveland.

No passado, eu considerava o satanismo como uma inspiração natural de bandas underground de Black Metal. Uma marca da autenticidade. Mas a minha longa experiência me ensinou que as pessoas inspiradas por satanismo eram pessoas extremamente egoístas, capazes de trair até mesmo os amigos mais íntimos e seus ideais. Laços fraternais no satanismo são puro mito, algo que nunca existiu.

Eu vi que não podia apoiar o satanismo, pois ele era uma parte da religião judaico-cristã. E eu não aceito nada relacionado com a alienadora cultura judaico-cristã e a religião. Nessa altura, o Black Metal se tornou um modismo comercial e eu não quis ser parte desse circo. As verdadeiras pessoas do mal que eu conheci estão hoje na prisão ou mortos. O mal que eles adoravam se voltou contra eles.

“Fire Chariot of Destruction" pode soar como Black Metal, mas se você ouvir essa música com mais cuidado, você vai perceber que as minhas melodias são diferentes das melodias típicas de Black Metal. Minhas melodias são mais pagãs e épicas...
Apenas o caráter e o som da minha voz são elementos imutáveis de minha música. Espero um dia começar a cantar com voz normal. Música antiga e folks são inspirações para os meus riffs de guitarra. No passado, eu fui inspirado por bandas como Emperor ou Bathory. Mas é passado agora. O som de "Fire Chariot of Destruction" é mais forte e dinâmico, as canções mais maduras e mais rápidas. Eu acelerei o tempo, porque meus ouvintes aceitaram que o fizesse assim. Marduk, Watain e 1349 tocam Black Metal, não a Graveland. Não confunda Graveland com Black Metal!

Como você descreveria o seu relacionamento e sentimentos sobre a comunidade que não participa do NSBM?

No passado eu me identificava com o Black Metal e achava que o Black Metal era Cult, enquanto permanecesse um estilo underground. Algumas regras ideológicas também foram muito importantes para mim. Ver essas regras quebradas por bandas de capa das grandes revistas de música foi uma experiência bastante desagradável. Olhando essas revistas e lendo entrevistas poderiam me desencorajar para tocar Black Metal. Mas eu comecei a tocar Black Metal por motivos ideológicos. Black Metal era a música underground, mas a comercialização e a traição das ideias do BM por seus precursores nos fizeram ainda mais radicais e extremos. Nós não queríamos ser como eles. E não cometeríamos os mesmos erros.

Naquela época tudo que eles disseram e foi feito pelo Black Metal foi muito importante para mim. Mas depois ele mudou. As pessoas e as bandas têm se tornado menos importantes para mim. Descobri que eu era a única pessoa em quem poderia confiar e que poderia andar do meu jeito. Agora eu me interesso por bandas e pessoas com quem estou ligado por amizade ou crenças pagãs, e não no que outras pessoas fazem.

O Black Metal tomou o lugar do Death Metal. A universalidade e vulgaridade mataram o culto e o espírito do Black Metal. Eu não vejo mais nenhum ponto na identificação com o Black Metal. Eu toco no meu próprio estilo e eu não me importo com o resto.
Houve inicialmente uma referência à "Norwegian Aryan Black Metal" no encarte do Darkthrone – “Transylvanian Hunger”; uma das bandas de Samoth chama Zyklon (um fumigante usado em câmaras de gás nazista); e Mayhem usa a antiga insígnia da SS, Totenkopf em suas t-shirts - mas as três bandas não vão tão longe a ponto de se denominarem NSBM. Você acha que o uso de símbolos Nacional Socialista e a retórica pró-ariana são fraudulentos?
Eu acho que as convicções e ideias radicais, apoiadas por estas bandas no início de sua existência, vieram da típica rebelião e atitude do jovem perante à vida, e de seu fascínio pelas ideologias e crenças extremas. Essas coisas sempre serão importantes para os jovens. O extremismo irá distingui-los dos milhares de frustrados e vegetais.Naquele tempo, o profano Black Metal teve alguns traços de ideologias de extrema-direita.

Como um tipo musical, o Black Metal se distinguiu na cena metal. Mencionando o arianismo e as conquistas do Terceiro Reich tornam o Black Metal mais radical e maligno. Satanismo misturado com Nacional Socialismo garantiu algumas experiências muito atraentes e sedutoras para que as pessoas comuns se tornassem repugnantes e vergonhosas. Quando as pessoas se acostumaram com o satanismo no metal, a geração de jovens necessitava de uma arma mais forte para aparecer. E ideologia de extrema direita foi a arma perfeita. Esses jovens não tinham nada a perder, eles não se preocupavam com o dinheiro. Eles simplesmente se deliciavam com o escândalo provocado.

Foi o resumo das suas atividades satanistas e a prova de sua autenticidade. Devo mencionar aqui a queima de igrejas e algumas outras expedições de guerra, a fim de intimidar a concorrência e espalhar algum terror satanista. Essa publicidade resultou em número de álbuns vendidos e dinheiro que essas bandas fizeram. Isso teve enorme influência em suas convicções mais tarde. Mas devemos lembrar que essas pessoas não faziam isso por dinheiro. O dinheiro apareceu mais tarde e mudou sua atitude. Além disso, algumas repressões policiais e investigações tiveram uma influência sobre o esfriamento do temperamento subversivo.

Há uma coisa muito interessante. Surpreende-me que a nova geração da cena do metal escandinavo não os imite. Na Polônia, as bandas jovens se identificaram com a ideologia Nacional Socialista, o satanismo ou o paganismo desde o início. Voltando ao Darkthrone e o Emperor... Eu acho que eles esconderam suas verdadeiras convicções para não afetar o número de álbuns vendidos e os contratos com grandes gravadoras. Eu também acho que muitas bandas jovens escondem as suas convicções. Mas eu acho que é apenas temporário. Na Europa, mais e mais pessoas estão “cheias” de imigrantes, habitantes não-brancos e muçulmanos que inundam a Europa. A Escandinávia está em uma situação muito ruim. Oslo lentamente se torna a segunda Meca para os muçulmanos.
Em uma entrevista que fiz com Wodansson do Pagan Front Vinland (ele próprio membro de uma banda NSBM), ele disse que acha que ação é mais importante do que música. Ele disse que tinha vendido a maior parte de sua coleção de discos para comprar armas, em preparação para o RaHoWa. Qual você acha que é um meio mais eficaz de comunicar suas crenças: ação ou música?

Todo mundo tem sua própria vocação. Eu sou capaz de conseguir mais através da minha música, que é a minha arma. Palavras certas podem iniciar a revolução. Claro que invejo o fácil acesso às armas dos americanos. Na Polônia não é tão fácil. Caso contrário, eu teria um monte de diferentes tipos de armas. Agora só posso recolher espadas, machados e arcos. Quando eu estava no exército, eu usei AK47. Uma coisa eu sei, com certeza: se um dia eu visitar os Estados Unidos, alguns dos meus amigos me mostrarão alguns truques de tiro.

As pessoas pensam que a crise que se aproxima é causada pelas aspirações revolucionárias de comunidades não-brancas na Europa e que podem ser interrompidas por lei ou repressões policiais. Mas o que vai acontecer se as pessoas responsáveis pelo sistema de direito e o controle da polícia se converterem ao Islã? O que vai acontecer se esses brancos que se odeiam por serem brancos? E depois? Eu ainda espero que as pessoas brancas acordem. E que eventos como a Intifada Francesa motivem suas ações. Surpreende-me que algumas pessoas que defendem ideologias esquerdistas comecem a criticar a sociedade multicultural. Isso é realmente muito interessante.



Se você pudesse mudar três coisas sobre o mundo de hoje, quais seriam eles?

Os EUA deveriam parar de apoiar Israel. Seria muito útil para adquirir o acesso aos recursos naturais do Oriente Médio, que ainda são necessárias. As políticas de apoio ao inimigo mais odiado do mundo árabe não é útil a todos. Este conflito é muito prejudicial para os EUA e para a sociedade norte-americana não pode dizer o certo eo errado. Sociedade norte-americana ve o conflito com o mundo árabe como uma questão nacional! As massas são manipuladas pela midia controlada pelos judeus que através da programação e outros veiculos fazem propaganda contra os árabes.

Meios de comunicação e  governos devem parar de apoiaro multiculturalismo. Multiculturalismo é muito prejudicial para o nosso povo. Nossas forças de defesa ea integração do país para baixo. Existe um problema com a formação de um exército. Os homens não são homens, mas escória decadente. Eles não são adaptados para a vida. Onde a cor é maioria, a corrupção e a bandidagem aparecem. O multiculturalismo apoia atividades que devem ser proibidas e devem ser punidas como  crime contra o Estado. Espero que um dia esses profetas do multiculturalismo sejam punidos.

Produções de Hollywood devem ser proibidas. Hollywood é um berço de decadência e depravação, o vazio espiritual e superficialidade intelectual. Os requisitos de propaganda política matam a arte. Produções de Hollywood são muito fracas. Eles são marcados pela falta de criatividade, apoiam feminista e homoexuais. É um desfile de palhaços e um teatro de vaidade.


Sobre o Autor:
LORD KRONUS
LORD KRONUS
Admirador do Oculto e cinéfilo. azerate666@hotmail.com Confira mais textos deste autor clicando aqui

0 Comentários: