FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

HITLER, NAZISMO E OCULTISMO - POR M. SABEHEDDIN

Print Friendly and PDF


"Em 1975, no trigésimo aniversário da morte de Hitler, já havia 50.000 trabalhos sérios sobre ele e seu Reich. Em 1976, apareceu ainda outro volume de 1000 páginas que foi proclamado 'a biografia definitiva para as gerações vindouras.' E assim foi."
- Robert G. L. Waite, The Psychopathic God (O Deus Psicopata)

Mais de meio século depois da capitulação do Terceiro Reich alemão e o fim da Segunda Guerra Mundial, Hitler e o nacional-socialismo ainda avultam na imaginação do público. Adolf Hitler é apregoada como a própria personificação do mal absoluto. Inúmeros livros e filmes garantem que nunca se esqueça dos campos de concentração e das imagens horríveis de morte e destruição. Os governos ocidentais introduzem legislação que proíba a exibição pública da notória suástica, enquanto diligentemente buscam nazistas octogenários suspeitos de crimes de guerra. Hitler e seus nazistas reinam como o símbolo universal da abominação que o mundo moderno adora odiar.

Apesar de décadas de estudo sobre o fenômeno Hitler, não é dado muita atenção às conexões nazistas com elementos místicos e ocultos, como, talvez, deveria haver.

A escritora britânica respeitada por seu estudo da Sabedoria Antiga, Nigel Pennick, vê em Hitler e no fenômeno nazista a
perversão de forças ocultas. "Todo o ethos nazista cresceu a partir de uma visão mágica do mundo", diz Pennick em "Hitler's Secret Sciences" (Ciências Secretas de Hitler), e a história da Alemanha nazista foi forjada por fanáticos estranhos, cujas ações só podem ser explicadas em termos ocultos.

Para historiadores ortodoxos, os seus crimes só podem ser descartados como obsessões malucas, mas em termos de certas crenças ocultistas bem estabelecidos, eles seguem um padrão bem definido. Longe de ser apenas mais uma doutrina política, o nazismo não era nada menos do que uma tentativa mágica deliberada para alterar o mundo.

Há certamente um elo oculto inegável no início da história do Partido Nazista. Infelizmente, ele está enterrado em uma avalanche de desinformação e sensacionalismo, promovido em livros, em grande parte espúrios por autores como Trevor Ravenscroft, um ex-oficial da inteligência britânica. Tais escritos exagerados e extremamente imprecisos servem para filtrar e distrair a atenção das fontes de energia reais da conexão ocultista nazista.

A mitologia moderna do ocultismo nazista, conclui o respeitado historiador Nicholas Goodrick-Clarke em seu excelente livro "The Occult Roots of Nazism", é "tipicamente sensacional e sub-pesquisada. A completa ignorância das fontes primárias é comum à maioria dos autores e imprecisões e alegações selvagens são repetidas por cada recém-chegado ao gênero até uma abundante literatura existente, com base totalmente espúria de 'fatos' sobre a poderosa Sociedade Thule, as ligações nazistas com o Oriente e a iniciação ocultista de Hitler. Mas a mitologia moderna do ocultismo nazista, no entanto grosseira e absurda, exerce um fascínio além do mero entretenimento."

O livro de Goodrick-Clarke identifica um amplo círculo de filósofos, sociedades ocultas e grupos místicos, que viram em meio ao caos que afligia a Alemanha após o Tratado de Versalhes, a elaboração de antigas profecias. No auge deste "underground místico" há a Thule Gesellschaft (Sociedade Thule).

Ultima Thule

"Entre as sociedades secretas em expansão na Alemanha logo após a Segunda Guerra Mundial I, a Sociedade Vril e a Sociedade Thule, também conhecido como 'Thule Gesellschaft' parecem mais claramente ter dado à luz ao movimento de Hitler."
- The Occult and the Third Reich (O Ocultismo e o Terceiro Reich)

Formado no final da Primeira Guerra Mundial como um ramo da Ordem Germânica, a Sociedade Thule rapidamente cresceu e se tornou a mais poderosa organização secreta da Alemanha. Um de seus líderes mais influente e sombrio, Barão Rudolf von Sebottendorff, retratou a Sociedade Thule como a guardiã de uma sabedoria antiga pervertida pela Maçonaria.

"A antiga maçonaria", escreveu Sebottendorff, "tinha sido uma guardiã dos segredos que eles tinham aprendido a partir da sabedoria ariana e dos alquimistas." Num artigo, de 21 de julho de 1918, na edição Runen, jornal da Sociedade, há uma visão de Sebottendorff na antítese entre a Maçonaria moderna e a Sociedade Thule:
"Nós olhamos para o nosso mundo como um produto das pessoas. O maçom olha para ele como um produto das condições..."

Barão Rudolf von Sebottendorff, o arquiteto-chefe da Sociedade Thule, nasceu Rudolf Glauer na Silésia, em novembro de 1875. Depois de um início da vida no mar e explorando terras distantes, Rudolf encontrou-se na Turquia, onde ele foi adotado por um nobre austríaco de idade, tornando-se Rudolf Sebottendorff. Foi durante essa fase turca da vida de Rudolf Sebottendorff (ele realmente se tornou um cidadão turco), que ele adquiriu seu vasto conhecimento sobre os ensinamentos e técnicas do misticismo Oriental e Ocidental. Sebottendorff foi iniciado nos dervixes Bectachis muçulmanos e estudou alquimia, astrologia e Rosacrucianismo.

Em 1910, enquanto vivia em Istambul, Sebottendorff fundou sua própria sociedade secreta baseada em uma combinação de misticismo islâmico Sufi, maçonaria, alquimia e da ideologia anti-bolchevique. Ele lutou heroicamente na Guerra dos Balcãs de 1912-13 e dirigiu o Crescente Vermelho turco. Ele também foi nomeado Mestre da Ordem de Rose Garland (Rosenkrantz). Anos mais tarde ele intitulou seu romance autobiográfico Der Talisman des Rosenkreuzers (O Talismã Rosacruz), confirmando uma ligação especial com a Ordem Rosacruz original.

Sobre a experiência turca de Sebottendorff, Francis King diz:
"É relatado que ele se familiarizou com uma variedade do misticismo oriental por meio de contatos pessoais diretos com os iniciados de várias Ordens Dervixes. Não há nenhuma razão para duvidar disso, pois Sebottendorff inquestionavelmente sabia muito sobre misticismo islâmico, particularmente sobre o Sufismo em todos os seus aspectos." (Satan and Swastika)

Em 1913 Sebottendorff retornou à Alemanha fortificado com um vasto conhecimento e fundos substanciais a partir de sua herança. Durante os anos seguintes, ele fez contatos com os principais membros dos grupos "místico-políticos" que proliferavam rapidamente na Alemanha naquele momento. Um poderoso organizador e escritor, Sebottendorff logo ganhou a atenção de Herman Pohl da Ordem Germânica. Nos dias finais da Primeira Guerra Mundial, Sebottendorff trabalhou energicamente para espalhar sua doutrina ocultista nacionalista através da criação de dois jornais, Runen e Munchener Beobachter (eventualmente adquiridos pelo partido nazista para se tornar seu jornal oficial, sob o nome Volkisher Beobachter).

Em 17 de agosto de 1918, a Sociedade Thule foi fundada na Baviera. Perto de duas décadas depois, o Barão Sebottendorff escreveu sobre este evento: "Esta decisão foi importante para a Baviera que assim se tornou o berço do movimento nacional-socialista." Em novembro daquele ano, a Sociedade Thule tinha 1.500 membros ativos.

No sábado, 9 de novembro, a revolução varreu a Alemanha e a velha ordem imperial desabou e Sebottendorff dirigiu-se aos líderes da Thule:
"Ontem tivemos o colapso de tudo o que era familiar, querido e valioso para nós ... O que vai sair deste caos, não sabemos ainda. Mas podemos adivinhar. Um tempo de luta virá, a necessidade mais amarga, um momento de perigo..."

Significativamente, ele fechou seu apaixonado discurso exortando os membros da Thule a lutar "até a suástica subir vitoriosa sobre a escuridão gelada". A Thule rapidamente se tornou o ponto focal para a luta anti-comunista e nacionalista em toda a Alemanha.

Adolf Hitler não era um membro da Thule e não iria se juntar ao nascente Partido Alemão dos Trabalhadores (o braço político da Thule, mais tarde se tornou o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães) até o final de 1919. Alfred Rosenberg e Rudolf Hess foram os Thulistas ativos a ocupar altos cargos no Terceiro Reich.

Alfred Rosenberg

Exteriormente, a Sociedade Thule passava-se como um círculo literário dedicado a estudar a história e antigos costumes alemães. Seu nome deriva da terra mitológica do norte, a antiga Ultima Thule. Pauwels e Bergier em Le Matin des magiciens nos informar: "A lenda de Thule é tão antiga quanto a raça germânica. Seria uma ilha que havia desaparecido em algum lugar do extremo norte. Groenlândia? Como Atlântida, Thule pensava-se ter sido o centro mágico de uma civilização desaparecida."

O escritor francês Jean Robin argumenta que as fontes de energia originais do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães foram Sebottendorff e a Sociedade Thule, que derivou dos dervixes Bectachis na Turquia (veja Hitler, l'elu du Dragon). Como o companheiro autor francês Rene Alleau, Robin mostra que a ideia central do Sebottendorff (ou melhor, de quem o inspirou) era dar a um movimento popular, ainda embrionário e velado por sua estrutura política, a coerência interna de um profeta com os seguidores militantes, formando uma seita de devotos comparáveis com o Ismailian "fedayeen" (Assassinos) guiado por seu líder espiritual, o Velho da Montanha. Em outras palavras, a ideia era formar uma Ordem militante de iniciados, com uma estrutura militar e religiosa.

Aliás, muitos anos mais tarde, Adolf Hitler disse que, embora a Maçonaria tivesse decaido em grande parte, "há um elemento perigoso que eu copiei a partir deles. Eles desenvolveram uma doutrina esotérica, não apenas formulada, mas transmitida através do meio de símbolos e ritos misteriosos ... Ou seja, sem incomodar seus cérebros, mas, trabalhando diretamente com a imaginação através dos símbolos de um culto de magia. Tudo isso é o elemento perigoso que assumiram. Você não vê que o nosso Partido deve ter este mesmo atributo? Uma Ordem que é o que tem que ser. Uma ordem, a ordem hierárquica de um sacerdócio secular".

Sebottendorff alegou que sua missão era revelar certos segredos arcanos revivendo assim a Sabedoria Antiga esquecida e, simultaneamente, o lançamento de um cronômetro para o que ele via como as forças malévolas engolindo a Europa. Os rituais da Thule tinham como objetivo, o mesmo que os de todos os autênticos grupos esotéricos, ou seja, a dissolução do "pequeno eu", para que o "eu divino" pudesse se manifestar. Sebottendorff ensinou:
"Quando chegamos ao fim do nosso treinamento, sentimos o nosso corpo terrestre se tornando mais e mais um estranho para nós. Atravessamos além dele. Vemos claramente que se tornou pó e cinza. É o ponto mais baixo que pode ser alcançado, onde as sombras da morte e seus terrores nos envolvem. É por esta razão que os antigos maçons orientais recebiam em sua comunidade apenas homens corajosos, pois os testes reservados para o neófito eram muito duros. Coragem e resistência foram as duas principais virtudes que eram necessárias".

Após o assassinato de sete proeminentes Thulistas pelos comunistas em 30 de abril de 1919, sabemos que uma intensa luta eclodiu dentro da Sociedade Thule. Esta luta estava a ter um efeito dramático e de extrema envergadura, não só sobre a Alemanha, mas todo o mundo.

Dos poucos registros divulgados pelo Chefes Secretos da Thule, sabemos que as forças corruptas e sinistras, apenas identificadas como os "irmãos das trevas", tentaram ganhar o
controle da sociedade e reverter sua corrente espiritual autêntica. Eles tentaram inverter a missão original da Thule e produzir uma imagem falsa. Isso levou os poucos verdadeiros iniciados a se retirar da Thule e a sociedade diminuiu, até que em 1923 o Barão Sebottendorff fugiu da Alemanha para a Turquia. No ano seguinte, ele publicou "Práticas da Antiga Maçonaria Turca" (Praxis of old Turkish Freemasonry), um estudo da prática da alquimia islâmica que influenciou o escritor Gustav Meyrink.

Um processo de contra-iniciação foi acionado, dos quais, como Jean Robbin mostra, Hitler era o principal, se inconsciente, agente. Hitler confessou ser um "sonhador seguindo no caminho da dita providência [divina]" (sleep walker on the way Providence dictates) e "vivendo um sonho" (living in a dream).

O líder da SS, Walter Schellenberg, escreveu sobre Hitler em suas memórias:
"... Essa ideia de si mesmo como o Messias alemão era a fonte de seu poder pessoal. Ela permitiu-lhe tornar-se o governante de 80 milhões de pessoas - e no espaço de 12 curtos anos deixar a sua marca indelével na história."

Lembre-se que o esoterista francês
René Guénon advertiu como falsos messias se tornam as ferramentas inconscientes de forças sobrenaturais maliciosas:
"Quandose reflete que estes falsos messias nunca foram nada, mas as ferramentas mais ou menos inconscientes de quem os conjurou, e quando se pensa mais particularmente na série de tentativas feitas em sucessão na contemporaneidade, somos forçados a concluir que estes eram apenas ensaios, experimentos, que serão renovados em várias formas, até que o sucesso seja alcançado ... Mas pode não ser, por trás desses movimentos, há algo muito mais perigoso do que os seus líderes, talvez, não sei nada sobre, transformando as ferramentas inconscientes em um poder superior demoníaco?"

O mundo pós 1945 deve muito aos nazistas. Aqui está o grande paradoxo. Sem Hitler e o holocausto provavelmente não haveria Estado sionista de Israel. Sem a invasão nazista da Rússia poderia muito bem não ter havido Guerra Fria. Não esqueça os inúmeros avanços tecnológicos que derivam diretamente da investigação nazista, alguns pela primeira vez realizados em campos de extermínio nazistas. Na verdade, também é difícil conceber os valores liberais do Ocidente dominantes na segunda metade do século XX sem o seu demônio nazista. O ocidente foi saciado em sua própria justiça e brutal passado colonialista, com o outro perfeito, o diabo ideal.

Como Roger Garaudy, o filósofo político francês, observou:
"Hitlerismo foi uma catástrofe humana que, infelizmente, teve um precedente na política aplicada ao longo de cinco séculos pelos colonialistas europeus para 'pessoas de cor'.

Hitler fez com os brancos o que estes fizeram com os índios americanos (mataram 75% destes - através do trabalho forçado e epidemias, ainda mais do que através de massacres), assim como eles fizeram com os africanos, dos quais eles deportaram entre 10 e 20 milhões, o que significa que a África teve roubados de 100 a 200 milhões de seus habitantes, já que dez pessoas tiveram de ser mortas para um ser capturado vivo durante a captura pelos traficantes de escravos."

O espectro chocante do nazista mal adequado tanto no Ocidente capitalista quanto no Oriente comunista. Ao falar dos crimes de Hitler os colonialistas ocidentais têm seus próprios crimes esquecidos, como se fosse um caminho para Stalin para mascarar sua própria repressão feroz. No entanto, em derrota e ignomínia Hitler para sempre moldou o mundo moderno. Era a raiz desse processo diabólico a reversão de uma corrente espiritual poderosa?

A distorção do impulso original por trás da Sociedade Thule acelerou as forças cósmicas da decadência. Guerra, miséria e morte foram desencadeadas em uma escala sem precedentes. Os campos de trabalho, o abate em massa, levante global e um mundo em decomposição são apenas o seu mais evidente fruto amargo.

BEVOR HITLER KAM (Antes de Hitler subir)

Em 1920 o Barão Sebottendorff foi introduzido na Imperial Ordem de Constantino, uma sociedade secreta virulentamente anti-comunista, e atuou como seu agente secreto quando voltou para a Alemanha a partir da Turquia, em 1933. A Maçonaria turca manteve a Sabedoria Antiga intacta. "Isso deve ser mostrado", escreveu o Barão, "que a Maçonaria Oriental ainda mantém fiel até hoje os antigos ensinamentos da sabedoria esquecidos pela Maçonaria moderna, cuja Constituição de 1717 foi uma partida do verdadeiro caminho."

Poucos meses após o estabelecimento do regime nazista, Rudolf von Sebottendorff publicou em Munique um livro fascinante intitulado "Before Hitler Came: Documents from the Early Days of the National Socialist Movement". O autor afirma logo no início: "As pessoas da Thule são aquelas a quem Hitler veio pela primeira vez." As revelações notáveis dele provaram ser bastante ameaçadoras para os nazistas e quando uma segunda edição do livro foi publicada no início de 1934 a polícia política da Baviera cessou a publicação do livro e com a ajuda da Gestapo apreendeu todas as cópias rastreáveis e as destruiu.

Com seu livro suprimido pelos nazistas, Sebottendorff foi preso pela Gestapo em 1934, internado em um campo de concentração e depois exilado para a Turquia, onde morreu sob circunstâncias misteriosas em 1945, no final da Primeira Guerra Mundial.

Em "Antes de Hitler Subir" Sebottendorff oferece uma discussão detalhada sobre a importância do Islã e da sabedoria antiga à qual a fé muçulmana deu um dinamismo especial. "O Islã", escreveu ele, "não é uma religião estática, muito pelo contrário, a sua vitalidade é maior do que o cristianismo."

Sebottendorff acreditava que a tradição esotérica do Islã, particularmente sufismo, foi a corrente mais pura da Sabedoria Antiga e que nutriu o ocultismo europeu através dos Rosacruzes, alquimistas e maçons autênticos da Idade Média. Ele afirmou:
"Ninguém pode me acusar de profanação, nem de sacrilégio ao descobrir ao longo destes mistérios ... É o meio que as comunidades de dervixes tradicionalmente usam para adquirir força especial por meio de técnicas incomuns. Eles são, em sua maior parte, os homens que aspiram ao mais alto rito, que a partir do qual vêm aqueles que foram preparados para as suas missões como líderes espirituais do Islã ... Este alto rito é a base prática da Maçonaria, e inspirou em tempos passados o trabalho dos alquimistas e dos Rosacruzes ...

Mas, para responder à acusação de eu ser culpado de algum tipo de traição: eu vos digo claramente que este livro foi escrito sobre as instruções dos líderes da Ordem."
(Bevor Hitler Kam citado por Jean-Michel Angebert, The Occult and the Third Reich)

Sebottendorff então começa a explicar porque "os líderes da Ordem" o dirigiram a escrever Bevore Hitler Kam:
"A vasta organização de descrença, de proporções monstruosas, pretende impor a sua vontade ao mundo civilizado. As instituições religiosas têm sido tão gravemente enfraquecidas que não são ainda capazes de manterem-se juntas, e muito menos colocar uma frente unida. Se os líderes espirituais não saírem no Ocidente, o caos pode derrubar tudo no abismo. Neste tipo de perigo, a Irmandade Muçulmana lembrou que a tradição dizia que houve um tempo, na Europa, quando os homens possuíam o conhecimento final ... O perigo iminente dissipa todas as objeções à publicação (do trabalho)".
(Bevor Hitler Kam citado por Angebert, op. cit.)

Sebottendorff muitas vezes falou da redescoberta de alguns fios perdidos de conhecimento que já foram "uma torrente que alimentava tudo no tempo do cristianismo primitivo, e que, na Idade Média deu origem às civilizações mais maravilhosas". Suas referências às "comunidades de dervixes" e uma "Irmandade Muçulmana" nos apontam para os guardiões desta sabedoria perdida.

Rene Alleau relata que Sebottendorff também escreveu que: "Os Mestres secretos muçulmanos tinham lhe confiado a missão de 'iluminar' a Alemanha através da revelação dos segredos da magia avançada e iniciação em antigos mistérios orientais" (Hitler et les societes Secretes)

Como avaliar ou reconciliar o misticismo islâmico Oriental do Sebottendorff com o objetivo declarado da Sociedade Thule de reviver a cultura pagã 'ariana', simbolismo e mitologia? As duas tradições não são mutuamente exclusivas, pois podem parecer à primeira vista. E.H. Palmer, em seu texto amplamente respeitado "Oriental Mysticism", considerou que o sufismo é "o desenvolvimento da religião primeva da raça ariana". Ambos os Rosacruzes e os maçons da Europa encontram a melhor fonte de seus ensinamentos no Oriente. Ligações Sufi-europeias são perceptíveis em grande parte da história oculta do Ocidente. Uma cruz celta do nono século, agora no Museu Britânico, incorpora a declaração árabe islâmica Bismillah ir Rahman ir Rahim, sugerindo estreitas ligações. O Mestre Sufi, Hakim Jami, disse que o sufismo antecedeu o profeta Maomé, declarando que Platão, Hipócrates, Pitágoras e Hermes eram parte de uma linha ininterrupta de transmissão Sufi. Como um iniciado do misticismo islâmico, bottendorff poderia justamente chamar-se um Rosacruz, um irmão muçulmano, e um Odinista.

Sebottendorff pegou da Maçonaria Oriental um sistema de iniciação completo exigindo um período de estágio, antes da admissão de um candidato para a Thule Lodge. Uma vez admitido o membro tinha que fazer um voto ritual de obediência e lealdade. "Simbolicamente", escreveu o Barão, "era o retorno à Halgadom".

Halgadom foi fundamental para a missão do Barão. De acordo com Jean Mabire, Sebottendorff tinha como objetivo final a criação de uma comunidade espiritual, que ele chamou de Halgadom.

"Este templo de Halgadom é simultaneamente espiritual e material. Ela pertence a terra e ao céu, ao passado e ao futuro. É o equivalente Hiperboreano da Arca da Aliança dos israelitas. Halgadom, na mente de Sebottendorff, ultrapassa de longe que o Segundo Reich que a Alemanha de Guilherme tinha encarnado desde 1871. É o império de todos os alemães, mas também muitos outros europeus: os escandinavos, fiéis às suas origens nórdicas, e os holandeses, mais alemães do que os alemães, os ingleses, divididos entre os celtas e saxões, os franceses, os herdeiros dos francos e regenerados pelos normandos ou os burgúndios, os italianos, em cujas veias corre o sangue dos lombardos, os espanhóis, que ainda carregam muitos uma marca dos visigodos. E também os russos, cujo país foi fundada pelos Varegs suecos, os Vikings dos rios e estepes."

Claramente, o Terceiro Reich de Hitler era uma paródia monstruosa dessa visão profunda. A perspectiva espiritual Pan-Europeia de Sebottendorff e da Thule foi distorcida por Hitler e os nazistas em um chauvinismo germânico sangrento.

O núcleo do nacional-socialismo era o racismo do darwinismo social, resumido no mito de "sangue e solo". Um legado do século XIX, que acreditava cegamente na realidade da matéria.

Em um ataque direto sobre a visão de mundo espiritual, um pensador líder nazista declarou: "Nós não concordamos com a proposição de que o espírito cria o corpo." Os interesses das pessoas de "sangue germânico" foram, portanto, de suma importância. Antes disso, disse Hitler, "considerações de política partidária, da religião, da humanidade - em uma palavra, qualquer outra consideração - não podem ter o lugar que querem."

Assim, este mito do "sangue e solo" foi um dos laços físicos, da hereditariedade, da terra, do espaço de vida, da propriedade, da posse, da vida natural. E como William Blake afirmou: "A natureza não ensina nada sobre a vida espiritual, apenas sobre a vida natural. O diabo é a mente da estrutura natural."

Este estreito germanismo finalmente custaria a Hitler a guerra. "Assim, ele caiu, a Alemanha de Hitler errou o alvo, e é muito bom que ele tenha perdido, pois era necessário que as coisas tivessem acontecido como aconteceram, e não o contrário", escreve o romancista Jean Parvulesco em La Espiral Prophetique. "Por que a Europa do Fim seria uma Europa alemã? A Europa do Fim deve ser europeia, e vai ser assim, a Europa do Fim não pode ser senão Europeia. Para tal, é a única questão que é realmente e totalmente revolucionária no momento atual, a única questão libertadora: quando chegar a hora (e ela já está aqui), é que os países europeus encontrarão, em seus egos mais profundos, a ardente realidade da
"nação diante de todas as nações", o legado transcendental da nação Indo-Europeia de nossas
antigas origens?"

Hitler teve pouco tempo para a visão pan-europeu revolucionária da Thule e esta foi usada apenas para levá-lo no caminho para o poder. Seu sonho de um Reich de mil anos, não tinha espaço para o amor da liberdade individual o qual os Thulistas romanticamente herdaram de seus antepassados.

Defendendo "misticismo como política" e pedindo uma "revolução espiritual", a visão Thuleana foi implacavelmente marcada pelo Estado nazista.

Dirigindo-se ao Congresso do Partido Nazi em 1938, Hitler disse:
"At the pinnacle of our program stands not mysterious premonitions, but clear knowledge and hence open avowal. But woe if the movement or the state, through the insinuation of obscure mystical elements, should give unclear orders. And it is enough if this lack of clarity is contained merely in words. There is already a danger if orders are given for the setting up of so-called cult places, because this alone will give birth to the necessity subsequently to devise so-called cult games and cult rituals. Our cult is exclusively cultivation of that which is natural and hence willed by God."

(Tradução livre:
"No auge do nosso programa não há misteriosas premonições, mas o conhecimento claro e, portanto, abertamente confesso. Todavia se por desventura o movimento ou o Estado, através da mera insinuação de elementos místicos obscuros, devesse dar ordens pouco claras - e isso é o suficiente, se essa falta de clareza está contida apenas em palavras, já existe um perigo se as ordens são dadas para a criação das chamadas locais de culto, pois isso só vai dar luz à necessidade posteriormente para elaborar as chamadas atividades e rituais de culto. Nosso culto é exclusivamente o cultivo daquilo que é natural e, portanto, querido por Deus.")

Um dos poucos membros iniciais da Sociedade Thule não-eliminado do Partido Nazista em 1930 foi assessor próximo de Hitler, Rudolf Hess (1894-1987). Hess, fortemente influenciado pelas ideias de Sebottendorff, comeu alimentos biodinâmicos, estudou Antroposofia de Rudolf Steiner, bem como misticismo, astrologia e fitoterapia. Depois de Hitler chegar ao poder, Hess tinha pedido uma doação substancial para estabelecer um lugar de culto, o Instituto Central do Ocultismo, mas isso nunca se concretizou.

Ninguém mais do que Hess conhecia os segredos dos primeiros vínculos nazistas com a Thule. Foi por esta razão que os vitoriosos Aliados teriam mantido Hess em isolamento na prisão de Spandau há mais de 40 anos?

Jean Mabire mostra que o vôo de Hess para a Grã-Bretanha, em maio 1941, em uma desesperada missão para pôr fim à guerra, foi a última tentativa da antiga Sociedade Thule - dissolvida ou em clandestinidade - de combater as ações de um Fuhrer que tinha tão completamente deformado sua visão. Lemos em "Thule: Le Soleil des Retrouve Hyperboreens" de Jean Mabire:
"Hess soube do planejado ataque à Rússia. Ele queria avisar o ingleses. Foi dito que ele sonhava com uma reversão de alianças. Eu acredito que era ainda mais complicado. Ele simplesmente queria a paz. Ele esperava desarmar essa bomba, mais fatal do que a bomba atômica. Ele conhecia o funcionamento interno do regime suficientemente bem para saber que o Fuhrer não estava indo atacar somente o Oriente, todavia ele só poderia estar seguindo o mais estúpido dos políticos. Hess tinha entendido que não era certamente o espírito da Thule que reinava na Alemanha, mas o mais estreito pan-germanismo. Todos estes Gauleiters do oeste e sul alemão não entendiam nada do mundo eslavo. Você já reparou como pouca importância o norte e leste alemães tiveram neste Terceiro Reich, que se considerava tão 'nórdico'? Acho que os alemães do Báltico não teriam permitido tal fundamento e, para ser honesto, tal loucura criminosa."

Apenas alguns dias depois da chegada de Hess na Grã-Bretanha, o jornal oficial do Partido Nazista, o Võlkischer Beobachter, publicou um artigo que incluía o seguinte:
"Como era bem conhecido nos círculos do Partido, Rudolf Hess estava mal de saúde por muitos anos e ultimamente havia cada vez mais recorrido a hipnotizadores, astrólogos e assim por diante. A medida em que essas pessoas são responsáveis pela confusão mental que o levou à sua etapa atual ainda tem de ser esclarecida."

Mandados foram emitidos para a prisão dos ajudantes de Hess, uma parte de seus amigos mais próximos e até mesmo seu motorista. Centenas de outras pessoas, incluindo os astrólogos, curandeiros, espíritas, antroposofistas e místicos de toda espécie, foram presos pela Gestapo para morrer nos campos de concentração.

REICH OCULTISTA?

O notório Aleister Crowley, nos primeiros anos da Segunda Guerra Mundial fez um estudo das ideias de Hitler, sob o comando do serviço de inteligência britânico. Embora atraído por muitos dos pronunciamentos do Führer alemão Crowley concluiu que Hitler foi, provavelmente, um "Black Brother." Uma admissão interessante do auto-proclamado "Grande Besta 666".

Na Alemanha nazista ocultistas, juntamente com os nacional-socialistas originais opositores de Hitler, foram os primeiros prisioneiros dos campos de concentração. Os nazistas fecharam as lojas maçônicas, as Lojas da OTO (Ordo Templi Orientis), a Ordem dos Novos Templários e da Sociedade Teosófica. Os ocultistas foram expurgados de todas as áreas do serviço público. Por exemplo, todos os austríacos que ocupavam cargos no governo fazer juramento de que não eram membros da maçonaria.

Dennis Passero editor do The Conspiracy Tracker, depois de um estudo intensivo do material disponível, concluiu, "a guerra de Hitler era uma guerra contra o ocultismo..."

O nacional-socialismo não poderia, no entanto, evitar as suas primeiras influências. A Sociedade Thule do Barão Sebottendorff atuou como a organização-mãe de fato para o Partido Nazista. Não há dúvida de que foi o ambiente perfeito para o nascimento e crescimento meteórico do Partido dos Trabalhadores Nacional Socialista Alemão (NSDAP).

Os autores franceses do Le Matin des magiciens (O Despertar dos Mágicos), Pauwels e Bergier, aproximam-se da verdade quando eles reconhecem por sociedades secretas:
"Acreditamos que estas sociedades [secretas], grandes ou pequenas, relacionadas ou não, com ou sem ramificações, são manifestações, mais ou menos evidentes e mais ou menos importantes, de um mundo diferente daquele em que vivemos ... A ascensão do nazismo era um daqueles raros momentos na história da nossa civilização, quando a porta foi ruidosamente e ostensivamente aberta para algo 'Diferente'. O que é estranho é que as pessoas fingem não ter visto ou ouvido nada além de imagens e os sons inseparáveis da guerra e da luta política."

O estímulo Thuleano sucumbiu à corrupção e distorção. A missão original de Thule era para dar à luz a um agente das Forças Eternas de Luz e Vida em meio à crescente escuridão da Idade das Trevas. A concepção foi arranjada, mas o parto teve que ser adiado. O Partido Nazista de Adolf Hitler tornou-se uma caricatura monstruosa, intoxicada pelo poder e força. A perversão mortal de um impulso maior. Um veículo à disposição das forças cósmicas de desintegração, caos e morte.

Ernst Niekisch (1889-1967) era verdadeiramente um grande pensador alemão, que viu os perigos colossais do nacional-socialismo de Hitler. Ao contrário de tantos outros, Niekisch opõe ativamente Hitler e denunciou publicamente a agenda nazista. Em seu jornal Widerstand, que ele fundou em 1926 para defender uma política de amizade para com a União Soviética, Niekisch exposto a traição e oportunismo de Hitler. Com o triunfo do nazismo, o jornal foi proibido em 1934 e, três anos mais tarde, a Gestapo prendeu Niekisch e o manteve em um campo de concentração até o final da guerra.

Niekisch defendeu uma "elite do Espírito" em oposição à demagogia e populismo banal e cruel do nazismo de Hitler. Ele escreveu:
"A elite espiritual deriva sua autoridade do poder das massas e tem a perspectiva de uma posição política exaltado apenas na medida em que é capaz de ganhar a confiança e devoção das massas. Com a ajuda das massas pode desencilhar a elite latifundiária e plutocrática .... Mas essa elite tem um rival perigoso na forma de pessoas obcecadas por poder e glória que descem ao nível das massas primitivas e são capazes de ganhar não seguindo pelo caminho de abnegadamente perseguir os seus interesses reais, mas através de previsões irresponsáveis e promessas de bons tempos à frente. Estes são os demagogos que, armado com pseudo-dogmas e pseudo-ideologias, viram a cabeça das massas e frustram a tentativa da elite espiritual para estabelecer o domínio da razão e da moralidade. O Reich de Hitler foi um exemplo do triunfo da demagogia sobre uma elite espiritual. O demagogo é a caricatura do líder espiritual: ele eclipsa-o e faz todo o jogo nas mãos da elite agrária ou financeira".

A fundação metafísica ainda é essencial para a ação unida na presente Idade das Trevas. O leitor faria bem em contemplar as palavras de Jean Parvulesco:
"... A maneira mais segura de compreender nada do presente negócio é confundir a Ordem Negra, como deveria ser, com suas falsificações políticas, dos quais uma, como se sabe muito bem, terminou no mais abjeto pesadelo."

_______________________________________________________________
(De New Dawn n º 41, março-abril de 1997)
www.newdawnmagazine.com
© Copyright New Dawn Magazine.

Permissão concedida para distribuir livremente este artigo para fins não comerciais, se não editado e copiado na íntegra, incluindo este aviso.



Traduzido por:
LIZZA BATHORY
LIZZA BATHORY
Blogueira no blog O Submundo
elizabeth.bathory.ce@gmail.com
Confira mais textos deste autor clicando aqui

0 Comentários: