FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

LOS ÁRBOLES por Natanael Gomes de Alencar

Print Friendly and PDF





Tudo começou assim:

- Olha pra baixo o suor no tronco...
- O tronco está duro.
- O que você tem a fazer? Chupar?
- Prefiro passar o dedo em seu prósgalho.
- Ah, você quer apertar aqui?
- Bem, não....sim, sim, é isso.
- Vai com cuidado que a terra é de todos.

- Eu não deixo. Prometo. Só quero suas folhas.
- Diacho. Deixa eu baixar.
- É sua primeira vez?
- Claro. Não vê que é rosado?
- Finca as quatro raízes no chão.

- Só tenho três.
- Tá. Posso girar os dedos dentro?
- Não.
- O que é que tem?
- Vai azedar os nós.

R. defendia a tese de que “quem vive em árvores não sente impulso para o chão incontrolável, não necessitando de uma moral para controlar tal impulso....O orgasmo não é psíquico, é um fenômeno que só se produz pela redução de toda atividade vegetativa primitiva.”

- Eu ponho celulose...
- Vai estragar a seiva.
- O que faço então? Esses nós me deixam louca!
- Acho que somos tão desiguais...

No nível político, a proposta de R. contrariava a moral ambiental e defendia a necessidade de uma organização social mais desenvolvida ao nível da floresta. 


- Não somos desiguais. Já lhe mostrei o meu apetite?

Ele enfia as duas unhas do galho e contorce-se de gozo.

Fase de contrações musculares involuntárias e aumento automático dos nós. 



0 Comentários: