FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

MARIA LUÍZA DA AUSTRIA

Print Friendly and PDF



Mariano, meia idade, cabelos de queimada, descuidados fios num terreno calvo e vermelho, oásis escarlates dos lados da cabeça.

O dia todo pendurado no muro, batendo os braços como asas. Desce quando a fome aperta.

Porém, antes dele mesmo começar a preparar sua comida, pega o diário e começa a escrever como que para suavizar a sua dor.

“Ela me chegara como uma princesa numa carruagem de fogo. Pelo estado, fugira no momento exato do sacrifício.”

- De onde você veio, hein, menina? O que você veio fazer aqui, justo no meu quintal? Que é isso preso na sua pata? Deixa eu tirar...Pronto.”

“Quando desatei o cordão, parece que ela deu uma risadinha. Dessas que a gente solta por alguma liberdade conquistada. Essa impressão não disse pra mulher. Ela é cética pra essas percepções. Mas alguma coisa a mais me tocava, algo parecido com um sentimento íntimo que não ousava dizer seu nome. Deixei aquilo pra lá e fiquei olhando aquele ser inesperado. Naquele dia já decidi seu nome. Seria Maria Luísa da Áustria. De onde me veio esse nome? Da segunda esposa de Napoleão Bonaparte. Ele tivera as primeiras núpcias com Josefina Tascher de la Pagerie, que fora casada por sua vez com o visconde de Beauharnais. Napoleão divorciou-se de Josefina, em 1809, para casar-se com a esplendorosa Maria Luísa da Áustria...Assim, decidi que esse seria o nome..”

“Na hora, a esposa apareceu e ficou me observando.”

– De quem será, hein, Mariano?

– Olha, nunca vi essa galinha aqui.

– É, eu também não. Não conheço quem crie galinha por aqui.

– O negócio é deixar ela por aí. Quem sabe o dono aparece.

– Olha, por mim a gente deixa ela engordando. Quando tiver no ponto, a gente faz um cozido. Faz tempo que a gente não come galinha, né? Dá até água na boca.

“No outro dia, despertamos com a galinha em cima da cama. A mulher assustou-se”.

– Sai, sai daqui, seu bicho escroto!

- Deixa ela. Assim você machuca a coitada.

– Ora, Mariano, é só uma galinha. Bicho tem que ser tratado como bicho. Deixa eu ir me lavar logo, antes que eu fique toda cheia de doença.

“Assisti ao jogo com a galinha no colo. A mulher limpava a casa e ficava me encarando. Começou a encrencar com Maria Luiza.”

– Dá pra você tirar esse bicho daqui.

– Ela não é bicho, ela é um ser vivo.

– Ser vivo ou não, dentro de casa não é lugar de bicho.

– Esta casa também é minha.

– Só que é a escrava aqui que limpa.

– Quem é que sustenta a casa?

– Se eu começar a cobrar o que você me deve, você não vai ter dinheiro pra me pagar.

– Eu sou homem.

– Um homem parasita. Desde que se afastou, você não..

– Se eu tou afastado, é porque eu tou doente. Não dá pra eu fazer nada.

– Mas, Mariano. Você não percebe? Você está ficando maluco? Isso não é coisa de gente normal.

– O quê?

– Você com essa galinha.

– O que tem isso? E aquele gatinho que você tinha?

– O Ludovico era tratado como animal doméstico. Eu não vivia o tempo todo com ele.

– Cada um expressa o que sente de uma forma.

– Toda pessoa normal tem limites.

–Agora, só por causa disso, eu vou fazer uma casinha aqui dentro só pra ela. Diacho!

“A mulher sai com raiva. Sento no sofá e faço carinho em Maria, que está assustada. Naquele dia, a mulher estava possessa. Fui condenado ao isolamento. Eu e Maria Luisa da Áustria. Ficamos os dois, feito um casal de namorados cujos pais saíram. Acabamos adormecendo no sofá. Com dores no corpo, acordei às treze horas do outro dia. A mesa já estava posta. Nem precisei colocar pratos e talheres como sempre colocara. Sentei para almoçar com Maria ao colo. Fiquei só na sopa. Sorvia uma colherada e dava a outra pra Maria. A mulher do outro lado, bruxa da Disney, nos encarava.”

– Você quer parar de olhar assim.

– O olho é meu.

– Eu sei que o olho é seu.

– Então, se ele é meu, eu olho pra onde quiser.

– Você tá deixando a Maria Luísa encabulada.

– Era só o que faltava.

– Se a coisa continuar assim....não sei não.

– Não sei não o quê? Também não gostei do que você fez ontem.

“Saí com Maria pro quintal. Brincamos muito. Nem vimos o tempo passar. Quando escureceu, fomos pra sala ver as novelas. Depois, assistimos sem assistir, olhamos sem ver o jogo do. Comé mesmo? Dormimos. Às seis horas do outro dia, acordei, olhei pro lado e senti a falta de Maria. Corri ao quintal.”

- Maria Luísa!! Maria Luísa!!

“Passei pela mulher na cozinha. Insight”.

– O que você fez com ela?

– Eu? Ainda, nada. Mas você tem que se desfazer logo dessa ...dessa....Esta casa está empesteada com o cheiro dela. Isto aqui ta parecendo um galinheiro. Por mais que eu limpe, a casa perdeu o cheiro de gente. Acho que até você tá se tornando um bicho.

– Já que é assim, eu vou dormir lá fora.

– Vai, vai! Assim, o cheiro fica melhor! E se você quiser, eu levo milho. Pros dois.

“A minha relação com a mulher parecia sem possibilidades. Já com Maria Luísa havia uma delicadeza. Parecia que ela me entendia. O seu olhar adivinhava meus pensamentos. Não havia necessidade de verbalização. O entendimento entre nós era completo. Depois de meia-hora, a mulher aparece. Nua, completamente nua. Na mão direita um leque com o qual ela cobre o sexo e o mostra me instigando. Está diferente, alegre como nunca esteve.”

- Mariano, meu bem, vem pra dentro. Olha, não liga pra minha irritação, não? Sabe, é que eu tou naqueles dias. Sabe como é mulher, né? Entra, vai. Pode trazer ela.

“Estranho a mudança da mulher, mas, como sempre fui pelo entendimento, entro com Maria agarrada ao colo. Maria nua também. Se bem que Maria desde pequena é nua, por ordem de Deus.”

– Como ela está bonita! Deixa eu pegar ela um pouquinho, deixa?

– Eu, hein? Você nunca gostou dela. O que tá dando em você?

– Nada, ué? Eu não posso mudar de idéia?

– Poder, pode. Mas, essas coisas levam tempo. Mudar, assim, de uma hora pra outra, nunca vi.

– É que eu pensei melhor e...

– Viu que tava fazendo besteira.

– Isso, foi isso.

“Baixei a guarda. Tudo pela concórdia.”
– Tá bom. A gente vai te dar uma chance.

- Ela é uma ave tão diferente, né?

– É, é mesmo. Notei isso desde o primeiro dia.

– Sabe que ela se parece com gente?

– Também acho isso.

– Você acredita em reencarnação?

– Não, o padre diz que isso é coisa do diabo.

– Diabo é ele. Você sabia que ele pega menininho atrás da igreja?

– Também tem aquele pastor que tirava o demônio transando com as irmãs.

– Você tá falando isso por quê? Não sou evangélica.

– Eu sei. Falei por falar. Você é que começou a falar em reencarnação.

– É que essa galinha.....

– Essa galinha o quê?

– Eu sei que..

– O quê?

– Eu sei que ela não tem culpa, mas...

– Fala de uma vez.

– Ela parece uma reencarnação daquela sua namorada olhuda.

– Aquela que você humilhava nos bailes?

– Eu? Você tá muito enganado. Eu é que era a vítima. A humilhada era eu.

– Ta, tá. Mas isso é uma grande besteira.

– Tá, vamos esquecer isso.

– Por mim, eu já tinha até esquecido.

- Sabe que eu até pensei em fazer um travesseirinho pra ela?

– Boa idéia.

– Já que você vai fazer a casinha...

– Você faz os acessórios.

– Isso, afinal nós somos uma família, né?

– Olha só! Tou gostando de ver. Minha esposinha voltando a ter juízo. Olha, sabe que eu não tinha mais esperança?

– Vamos esquecer as desavenças. Dá aqui ela, dá?

– Toma, mas cuidado que ela ainda tá magoada.

– Pode deixar que já, já, eu faço ela esquecer. Né, meu amor?

- Amanhã, vamos acordar uma família mais unida. Isso merece uma comemoração. Amanhã a gente compra um vinho, pode ser desses vagabundo, e faz a festa.

“Era bonito ver aquilo. Talvez houvesse um jeito de convivência. Sabia de famílias por aí que viviam bem a três. Finalmente, eu gozaria a paz. A paz de uma família moderna. Duas fêmeas e um homem. Como naquela novela.”

“Uma semana se passa. Sexo quente. Os dois vasos regados e adubados com muito amor. Buracos e rachas transpirando Deus. Nunca meu tridente estivera tão vermelho. Mas..... na sexta-feira o inesperado acontece. Acordo, olho pro lado e sinto um nó na garganta. Procuro a mulher em desespero. Acho-a sentada, devorando uma coxa suculenta.”

– O que aconteceu com ela?

– A tua amante?

– Fala! O que você fez?

“A mulher come a coxa, de modo sensual e provocante, exibindo o seu crime. Acendeu o fogão e se deliciou, girando a coxa de Maria como um inquisidor se deliciava outrora, vendo bruxas sob as fogueiras.”

– O que você.....

“Encontrei no lixo as tripas e a cabeça de Maria. Mas tenho certeza que não era dela. Maria Luísa tinha mais elegância, uma nobreza de Imperatriz. Era macia, como uma nuvem feita por Deus. A qualquer momento, ela vai surgir sobre a minha cabeça, numa carruagem de fogo, voando novamente em meu quintal, cumprindo a profecia do coração. E aí então eu poderei recebê-la com toda a minha ternura, com todo o meu amor. Tenho de voltar ao muro. Ouvi alguma coisa. Com certeza, ela se aproxima. Sinto seu cheiro, o calor de sua presença. Sinto o frêmito de seus olhinhos infantis. Ela me chama, sussurra meu nome. Não posso desapontá-la.”

Com agilidade de um galo inconsciente, pula pra cima do muro e cacareja de angústia amorosa.

Um galo do vizinho parece até que entende aquela tristeza e grita humanamente, em solidariedade.

0 Comentários: