FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

DESVIANTE por natanael gomes de alencar

Print Friendly and PDF


Se sei o que é o poema,

o espelho desviante nunca,
se sei o que é que penso,
o que não penso me trunca

Se resvalo o poema fala
pretensões de sapo-fábula,
se digo que isto é poesia,
quem me ouve perde o dia

Se defin(h)o-me anarquia,
meu total caos semitona,
vira ordem, e viro vário
ovário do verso-mioma

Sou mestre do eu-jazigo,
renasço qual ser-estrada,

onde o si-mesmo caminha
a cada ambição que acaba

0 Comentários: