FACEBOOK
CONTATO
FEED
YOUTUBE
TWITTER
LINKEDIN
EnglishFrenchGermanSpainItalianRussian

O Torturador II, de natanael gomes de alencar

Print Friendly and PDF


Resultado de imagem para torturando um animal
Vou lhes contar uma história antiga. 
Enquanto a química dos alimentos se redemoinham em seus estômagos. 
Era uma vez. Não. A vez é agora. Em que seus direitos estão sendo roubados. Por uma casta arcaica com alma de lado. Ou esburacada. Casta de vampiros poderosos. Cabeças de nádegas. Nariz de caralhos adormecidos. Casados com recatadas bonecas importadas da Coréia, no nariz do ditador do norte.

Olhem aqueles travesseiros! Vocês sabem que cheirosos cabelos são o recheio deles, não sabem?
Quando foram tirados, o torturador nunca iria imaginar que dentre eles estavam outros.
Nunca imaginaria que entre eles estavam fios de cabelo de um menino de suas relações.
Aquele seu filho, nórdico puro, que desapareceu entre judeus num campo perto dali, na fuzilaria do inverno de 39.

Tinha cabelos de sol nórdico, e, sim, eram seus cabelos que enchiam aquele travesseiro que seu pai usava, quentinho.
A pele do filho estava também esticada em sua alcova: pele ariana filtrando a luz do abajur na cabeceira da cama. Branquinha.
Antes de dormir, tinha o costume de enfiar agulhas, sadicamente, no abajur, pensando ser de uma judia pela qual seu coração se rendera, uma adorável puta, melhor que sua pudica mãe, no entanto. 
Também, judiado pela insanidade, socava seiscentos e sessenta e seis vezes o travesseiro.

Imaginava serem os cabelos de judeus. 
Quando o travesseiro rasgava, pegava um tufo e brincava.
Simulava um bigode, parecido com o de um judeu, pai de uma puta pela qual se apaixonara. 
Gostava do cheiro dos cabelos.

0 Comentários: